Aninha escreve uma carta de despedida para sua amiga falsiane Perfeição, que só a atrapalhava no emagrecimento (fora o resto da vida dela).

Querida amiga Perfeição,

A gente se conhece há muito tempo, nem lembro quanto, mas com certeza desde que era novinha, não sei bem como ficamos tão amigas. Na verdade, nossa amizade nunca me fez muito bem e eu não me dava conta que era você que travava a minha vida, até mesmo o meu emagrecimento. Eu pensava que você estava lá para me ajudar, mas você foi o tempo todo muito falsiane comigo. Se eu soubesse quem era você de verdade, e o que faria comigo, o mal que me causaria, eu com certeza não teria dado corda para a nossa amizade, para a nossa proximidade. No emagrecimento você me prejudicou bastante, sem falar que poderei me dar conta de outros estragos que você me trouxe em outras esferas da minha vida.

Toda vez que eu começava uma tentativa de emagrecer, lá vinha você gritar no meu ouvido: “Vê se vai fazer tudo direitinho agora!” No dia seguinte, você já falava debochada: “Não emagreceu nada desde ontem, tem certeza que está fazendo tudo certo, sua desleixada?” No menor descuido meu, você era muito severa: “Você é mesmo uma farsa, nunca aprende, estragou tudo de novo!”. Eu levava muito tempo para voltar a acreditar em mim de novo. Quando eu voltava a tentar, lá vinha você com seus conselhos radicais e sem sentido: “Tá, mas já que você vai tentar de novo, tem que ser para valer, então, a partir de amanhã você vai cortar tudo!” Nossa, aquilo se tornava um monstro para mim, eu não aguentava, e desistia repetidamente. Nunca esqueço quando você me falou: “Se você não fizer tudo perfeito hoje com a sua alimentação, você não tem valor nenhum e nada mais do que terá feito hoje terá valor, terá perdido o dia, a semana”.

Eu não entendia por que eu não conseguia, enquanto outras pessoas conseguiam. Me sentia um lixo. Comecei a me perguntar e perguntar para outras pessoas qual era a diferença, até que perguntei para um amigo meu chamado Bom Senso. Ele disse que conhecia você de longa data, mas que os santos de vocês não batiam muito … Disse que você até tinha uma boa intenção, mas que realmente não sabia dosar as coisas, disse que você enxergava tudo distorcido. Ele me disse: “Aninha, quem disse que você tem que fazer tudo perfeito para emagrecer? O importante é progredir! Estar comprometida verdadeiramente a melhorar, mas alimentação perfeita não existe, só no mundo da tua amiga falsiane Perfeição mesmo!”. Eu escutava com os olhos fixos, como os olhos de quando muitas fichas estão caindo, sabe? O Bom Senso me mostrou o quanto você é exigente demais, e que fazer tudo perfeito como você exige não tem como, Perfeição! O Insight (acho que você não conhece) estava junto me ajudou a ter esse “estalo”, ele me mostrou o quanto você prejudicou a minha relação com a comida, o quanto você me fez acreditar em crenças distorcidas sobre emagrecimento, e o quanto você me fez acreditar que para emagrecer, eu precisava fazer tudo como você dizia ou então não daria certo. Eu ficava com medo de falhar e fazia. O Bom Senso me falou: “Vou te apresentar uma grande amiga minha, talvez no início você fique com um pouco de medo dela, mas você vai adorar ela com o tempo, à medida que for conhecendo-a melhor, e tenho certeza que ela vai te ajudar a emagrecer, e no que mais você precisar na vida”. E a novidade é que agora tenho uma nova amiga, de nome comprido, acho lindo: a “Ser Suficientemente Boa”. Nossa, ela está me ajudando muito, ela me motiva a continuar, valoriza os meus acertos, me ajuda a progredir, quando eu me atrapalho e como demais, ela me perdoa e me ajuda a retomar e continuar. Ao contrário de você, que quando eu me atrapalhava, você me criticava, xingava, me julgava, me falava coisas horríveis que doíam no meu peito, me faziam até chorar ou ter muita raiva de mim. E não tinha como eu te dar o que você queria, Perfeição. Você é maluca! No início fiquei com receio de encerrar esse nosso relacionamento tóxico e limitante, afinal, por pior que fosse, você era o meu território conhecido, fiquei com medo de que eu fosse fazer as coisas mal feitas, desleixar. Mas eu estava enganada, a Ser Suficientemente Boa me mostrou que era justamente ao contrário. Tchau, Perfeição, fique com as suas exigências. Quando eu cruzar com você vou até te cumprimentar com um aceno, mas só de longe, e vou só ficar te observando passar e ir embora.