Às vezes os familiares querem nos ajudar durante o emagrecimento, e ajudam de um jeito “ruim”, ou não nos ajudam, e isso pode causar alguns conflitos e até desmotivação…

De um lado, muitas vezes quando iniciamos um projeto de emagrecimento gostaríamos de ser ajudados pelos familiares, mas nem sempre somos claros no nosso pedido de ajuda de como gostaríamos de ser ajudados/apoiados. Por outro lado, tem os familiares… Aqueles familiares que se envolvem demais, além do que gostaríamos, e não conseguimos colocar limites ou nos posicionar perante eles, ou familiares que nos sabotam, ou que permanecem incrédulos, ou indiferentes, que podem ser mal compreendidos por nós, que iniciamos essa grande mudança na alimentação.

Pois é… Mas, como tudo começa no auto entendimento e na qualidade de  comunicação que estabelecemos. Te pergunto: você sabe se quer/prefere ser ajudado ou não no seu emagrecimento? Se sim, você sabe pedir ajuda? Como o familiar pode ajudar no emagrecimento?

A maioria dos familiares não sabe como agir e, então, nada faz ou nos atrapalha. Por isso, é importante ter isso claro para você mesmo primeiro para então deixar isso claro também para os seus familiares.

Vamos descobrir como?! Vou te ajudar!

Primeiro pense a respeito sobre qual é a sua real contribuição ou comportamento para com eles, por exemplo, às vezes falamos frases assim: “Eu gostaria que você me ajudasse a evitar exageros”, “Não custa me apoiar quando estou indo bem”, “Seria importante você me apoiar, mas não se envolver”, “Não quero que você me diga o que fazer”, “Não gosto quando você fica cuidando o quanto eu como”, “Fico chateado quando você fala do meu peso”. O que se pode entender com essas frases comumente mencionadas? Não muito ou nada! Esses são exemplos de frases vagas que não mostram realmente a maneira que você deseja ser ajudado.

Então, primeiro reflita se você quer mesmo ajuda e como, ou se quer apenas atenção, e procure ser mais específico, mais claro no seu pedido.

As perguntas abaixo irão te auxiliar a refletir e a estabelecer um pedido de ajuda mais eficiente:

  • Sobre você julgar-se acima de seu peso. Como gostaria que seus familiares agissem?

a)Que perguntassem se andei engordando.

b)Que dissessem que deveria emagrecer um pouco.

c)Que não comentassem absolutamente nada.

d)Que dessem indiretas sobre meu peso, mas que não fossem claros.

e)Outra coisa: _____________________

  • Quando você comenta que tem engordado, como espera que os familiares reajam?

a)Que apenas concordem.

b)Que digam que não é nada disso, que na verdade estou como sempre.

c)Que perguntem o que pode fazer para ajudar.

d)Que façam de conta que não ouviram.

e)Que digam que devo iniciar uma dieta imediatamente.

  • Você iniciou a reeducação alimentar. O que gostaria que seus familiares fizessem?

a)Que me acompanhassem na atividade física.

b)Que dividissem a tarefa de fazer compras.

c)Que assumissem parte da preparação dos alimentos.

d)Que comessem a mesma comida que eu, porém dentro de seus limites.

e)Que não trouxessem ou deixassem à vista alimentos sabidamente tentadores.

f)Que não comessem guloseimas fora de casa.

g)Que não fizessem nada, pois a dieta não lhes diz respeito.

  • Quando for percebido o seu emagrecimento, qual deverá ser a conduta dos familiares?

a)Nenhuma, pois o mérito é todo meu.

b)Que digam que gostam de ver como estou emagrecendo.

c)Que demonstrem que apreciam minha melhora com o programa de reeducação alimentar.

d)Outra coisa: __________________

Depois de refletir e responder a essas perguntas, vá conversar com os seus familiares e seja o mais honesto possível, exponha suas dificuldades e pontos frágeis, diga diretamente o que pode ser feito para te ajudarem, e se for da sua vontade, explique como funciona o seu plano alimentar.

Você pode ensaiar frases, como:

“Quando você comenta sobre meu peso, fico muito chateado, por que é difícil para mim aceitar que cheguei a esta situação, mas sei que estou nela. Por isso, gostaria que não comentasse mais, até por que estou me trabalhando nesse sentido para mudar essa realidade”.

“Quando você fala para eu parar de comer, eu fico ainda mais ansioso e mais obsessivo por comida, portanto, isso não me ajuda, e até me revolta. Então, gostaria que você não me falasse mais isso, até por que eu estou me trabalhando para melhorar a habilidade de perceber o que eu como, e isso é um processo gradual.”

“Estou iniciando mais um projeto de emagrecimento. Sei que você pode não acreditar mais em mim após tantas tentativas frustradas, porém, estou disposto a tentar novamente. Por isso, me ajudaria muito se você não me oferecesse esses alimentos fora de hora”.

“Estou iniciando um processo de emagrecimento e aprendi na consulta que a organização prévia dos alimentos faz uma diferença incrível, me ajuda a não me sabotar e a ficar menos ansioso com a minha alimentação. Mas você sabe que o meu tempo é super apertado, você poderia se encarregar de fazer o super mercado?”

Na verdade, isso envolve algumas técnicas de “comunicação não-violenta”. Caso queira saber mais, clique AQUI.

Garanto que entender melhor o que você mesmo quer e melhorar a comunicação com seus familiares/pessoas de convivência vai fazer diferença na sua motivação para seguir em frente!

Nutrição comportamental e mudança relação com a comida: a melhor “dieta” para emagrecer!