Já aconteceu de você ver um alimento tentador e depois ficar com a sensação de que ele está te “chamando”? Parece que em situações como essa você simplesmente não consegue resistir? Em alguns momentos você simplesmente PRECISA comer aquele alimento?

Pois saiba que quem está no comando é você! E a boa notícia é que só é mais difícil resistir a esses desejos nas primeiras semanas do seu plano alimentar. Depois, conforme você for progredindo e os dias forem passando, o desejo incontrolável irá diminuir gradativamente.

Em primeiro lugar, para que você pare de sentir estes desejos incontroláveis, você precisará parar de ceder a eles. Quando se trata de desejo, normalmente as pessoas não conseguem comer “só um pedacinho”, elas acabam comendo muito mais do que deviam ou gostariam quando cedem às tentações.

Se você começar a treinar não satisfizer seu desejo incontrolável imediatamente, começará a aprender a tolerá-lo. Você perceberá que é capaz de suportar este desejo sem ceder a ele. Assim, com este treinamento, aos poucos, esse tipo de desejo incontrolável será cada vez menos frequente, pois deixando de atender os desejos você estará enfraquecendo aquele comportamento.

Ao contrário de se sentir em privação dos alimentos que te causam desejo, ao resistir você sentirá capaz e no comando da situação! Lembre-se de que você está no controle e controlar a sua mente é essencial.

Mas como posso comandar a minha mente para não ceder aos desejos por comida? Para driblar esta situação, pode-se utilizar técnicas de “programação mental”. Vamos ver algumas:

1- Conhecer a si mesmo e o que acontece quando é acometido por um desejo incontrolável. Se preferir, tome nota. Pense na intensidade do desejo, o que aconteceu imediatamente antes ou durante o dia, em como você se sentiu e o que fez ou poderia ter feito para não ceder à ele.

2- Quando surgir o desejo, rotule o sentimento dizendo: “Isso é apenas um desejo!”. Rotular é importante para racionalizar. Depois, diga para si mesmo: “O sentimento desse desejo é desagradável e desconfortável, mas não é horrível nem urgente”. Permaneça firme, pense que não valerá à pena ceder a um prazer momentâneo e depois sentir culpa, desesperança, raiva, sentimento de fracasso…

3- Quando vier o desejo, imagine a cena de você comendo o alimento e depois se sentindo chateado, deprimido, descontrolado e culpado, pense nos reais motivos que levam você a querer perder peso. Isso vai ajudá-lo a controlar o impulso e a tomar uma decisão melhor.

4- Se decidir comer mesmo assim, coma com atenção para ter satisfação de ter comido, sentir a experiência de ter comido, e ficar satisfeito com uma quantidade normal, e não exagerar.

Ainda assim, os desejos podem surgir, e então você pode agregar mais ferramentas e utilizar as técnicas comportamentais para desafiá-los. São elas:

5- Ter por perto apenas alimentos saudáveis e pouco calóricos, beber água ou algum líquido de baixa caloria, relaxar, respirar profundamente, distrair-se com alguma coisa…

6- Fazer uma lista de atividades que você acredita que funcionariam e teste-as no dia-a-dia. A medida que testar, elimine da lista aquelas que não foram efetivas.

7 – Praticar técnicas de adiamento e distração, se dizendo: Eu sou capaz de esperar 20 minutos, e se distrair com alguma tarefa manual. Provavelmente depois de 20 minutos o desejo terá se dissipado.

Por fim, o desconforto que sentimos ao dizer “Não” ao desejo é passageiro e suportável. Você perceberá que nada de mal acontecerá quando resistir, que você é capaz de se controlar e, depois de algum tempo treinando essa habilidade (estudos dizem 21 dias – nem é tanto!), você não precisará mais travar lutas internas ou preocupar-se cada vez que surgir algum desejo incontrolável por comida. Se tornará algo natural. Tenha paciência consigo mesmo e com o processo. Terão dias melhores e outros piores. O importante é estar verdadeiramente disposto a tentar.

Nutrição comportamental e relação com a comida: a melhor “dieta” para emagrecer.