Nutricionista Adriana Lauffer

alimentação saudável para esteatose

Alimentação saudável para esteatose hepática

A má nutrição é um fator-chave no desenvolvimento da esteatose. Uma abordagem terapêutica eficaz para tratar essa condição é adotar uma dieta saudável, combinada com perda de peso e aumento da atividade física. Atualmente, não existem medicamentos aprovados especificamente para tratar a esteatose, por isso o foco do tratamento é melhorar os hábitos alimentares e de exercício. Vamos ver mais a respeito de alimentação saudável e esteatose hepática?

Que tal continuar vendo esse conteúdo em vídeo?

A importância dos hábitos alimentares

A dieta mediterrânea tem se mostrado eficaz na normalização das enzimas hepáticas (os famosos exames TGO, TGP, GGT) e na redução da gordura no fígado. Já o exercício, aliado ao cuidado com a alimentação, contribui para melhorar a sensibilidade à insulina e a perda de peso.

Estudos indicam que pacientes com esteatose devem seguir uma dieta hipocalórica e evitar o consumo de álcool e tabaco. A restrição calórica diária de 500-1000 kcal é uma intervenção altamente eficaz na prevenção e tratamento da esteatose. Uma redução de peso entre 3% e 5% também está associada à diminuição da esteatose. Porém uma redução maior (7-10%) é necessária para alcançar a remissão da esteatose e a regressão da fibrose.

O objetivo da restrição calórica deve ser uma perda de peso corporal total de pelo menos 10%. Embora não seja recomendo exceder uma redução de peso de 1,6 kg por semana para evitar agravar a fibrose e a necrose hepatocelular. O objetivo geral é encontrar um padrão alimentar e uma composição de macronutrientes que ajudem a prevenir, atenuar ou reverter a esteatose hepática e sua progressão para esteato-hepatite.

Dietas que melhorem a resistência à insulina, o estresse oxidativo ou a inflamação são boas opções para tratar a esteatose. Segue abaixo um resumo sobre o que se sabe atualmente sobre 1) a relação entre os os macronutrientes (carboidratos, gorduras e proteínas), 2) grupos de alimentos, 3) padrões dietéticos e a probabilidade de desenvolver esteatose.

Ingestão de carboidratos e esteatose

Os carboidratos são classificados como simples (frutose, glicose, galactose) e complexos (amido). Há evidências sugerindo que menor ingestão de carboidratos (≤40% da ingestão diária ingestão de energia) pode ser benéfico para pacientes com esteatose. Além disso, é preferível evitar consumo de carboidratos com alto índice glicêmico.

No entanto, a maioria dos estudos realizados enfocam o consumo de frutose e sua relação com esteatose. Isso é devido ao seu metabolismo hepático único e devido ao aumento do consumo de alimentos contendo açúcares adicionados, particularmente a frutose, paralela ao aumento da incidência de esteatose.
A frutose está presente tanto em alimentos naturais (frutas, vegetais, mel) e em alimentos processados (sucos, néctares, outras bebidas). Além disso, a frutose é o componente principal em os adoçantes mais amplamente usados (sacarose ou xarope de milho com alto teor de frutose).

O consumo de frutose aumentou 30% nos últimos 40 anos e 500% no último século devido ao aumento do consumo de alimentos processados. Em relação às bebida adoçada com açúcar, a ingestão aumentou mais de 40% entre os anos 1990 a 2016. Hoje, a ingestão de açúcar adicionado constitui 15% do total de calorias diárias na dieta ocidental. Em paralelo, tem havido uma incidência e prevalência progressivamente mais altas de obesidade, esteatose, diabetes mellitus tipo 2 e síndrome metabólica.

O aumento do consumo de açúcares adicionados, particularmente a frutose, é um dos principais motivos de causa de doenças metabólicas crônicas, incluindo esteatose, DM2, obesidade, hipertensão e doenças cardiovasculares. Nesse sentido, numerosos estudos experimentais e clínicos descobriram que o consumo frequente de alimentos com alto teor de frutose é um importante fator de risco para esteatose e suas consequências.

Frutose da fruta e frutose dos produtos industrializados

É digno de nota que um estudo transversal da Finlândia encontrou uma relação inversa entre a ingestão de frutose e esteatose. Isso porque a população estudada obteve frutose principalmente por meio de frutas e não por meio de bebidas açucaradas. Embora as frutas contenham quantidades consideráveis de açúcares simples, como a frutose, são improváveis de induzir esteatose e doenças relacionadas por várias razões. As frutas têm um menor teor de frutose por grama (em comparação com refrigerantes). Além disso, elas contêm fitoquímicos benéficos, micronutrientes e fibras. As fibras contribuem para a saúde metabólica geral e para manter índice glicêmico limitado da fruta limitado a médio).

Em resumo, a evidência científica disponível até o momento sugere que é a ingestão crônica, excessiva de frutose que provavelmente é o principal contribuinte para a patogênese da esteatose, especialmente em indivíduos com predisposição genética e no contexto de dietas hipercalóricas.
Portanto, profissionais de saúde devem encorajar seus pacientes com (ou em alto risco de) esteatose a reduzir o açúcar adicionado, especialmente a frutose.

Consumo de gordura e esteatose

Sabe-se que o efeito da ingestão de gordura no desenvolvimento da esteatose depende do tipo de gordura. Algumas gorduras (MUFA e PUFA) protegem contra a doença, enquanto outras (SFA e TFA) têm um efeito negativo na saúde do fígado. No entanto, a maioria dos estudos são observacionais e apenas um número limitado de pequenos ensaios clínicos foi publicado até o momento.

Apesar de as evidências científicas serem de qualidade baixa a moderada e ainda haverem muitas questões a serem resolvidas, os profissionais de saúde devem aconselhar seus pacientes a reduzir a ingestão de SFAs, eliminar os TFAs, e aumentar PUFA Omega-3 para reduzir a incidência de esteatose.

De fato, muitas revisões sistemáticas e meta-análises têm feito referências à suplementação de ômega 3 e o seu efeito em pacientes com esteatose. Esses estudos concluem que a suplementação em mais que 3g/dia é útil para a redução da gordura no fígado, enzimas hepáticas, peso corporal, triglicerídeos e colesterol. Isso potencialmente define a suplementação de ômega 3 como segura, viável e como uma intervenção efetiva para auxiliar no tratamento da esteatose.

Consumo de proteínas e esteatose

Pouco se sabe sobre a influência das proteínas e aminoácidos na esteatose. Isso de deve ao fato de que a maioria dos estudos sempre focou no efeito dos carboidratos e das gorduras. Além disso, estudos de intervenção e observacionais sobre a relação entre proteínas e esteatose mostram resultados conflitantes. Alguns estudos encontraram evidências de que a ingestão de proteínas pode ter um efeito negativo na doença, enquanto outros estudos mostraram um efeito neutro ou
efeito positivo.

Essas inconsistências podem ser explicadas pelo tipo de proteína consumida, uma vez que a proteína animal parece ter um efeito negativo na esteatose, enquanto a proteína vegetal tem uma associação inversa. É bem estabelecido que o alto consumo de carne, especialmente de carnes vermelhas e processadas, está associado a resistência à insulina, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares.

Esteatose também foi associada ao consumo de carne vermelha e carne processada, mesmo quando da ingestão era baixa. No entanto, esse efeito pode ser devido ao teor de gordura saturada, sal, aditivos e métodos de cozimento, mais do que o efeito da própria proteína. Em conclusão, os efeitos da proteína no desenvolvimento de esteatose permanecem obscuros, mas eles parecem positivos, especialmente com proteínas de origem vegetal, o que é provavelmente devido a seu alto teor de fibras e fitonutrientes. Os problemas específicos associados a proteínas animais podem estar relacionadas ao fato de que geralmente são consumidas juntamente com SFAs (produtos de carne).

Consumo de fibras e esteatose

A relação entre a ingestão de fibras e esteatose foi avaliada em vários estudos observacionais e em um pequeno número de pequenos ensaios clínicos com resultados conflitantes. Embora a maioria dos estudos sugira que o alto consumo diário de fibras está associado a um efeito preventivo contra esteatose, outros autores não confirmaram esses resultados.

Recentemente, um estudo realizado em uma população holandesa descobriu que indivíduos com alto índice de gordura hepática consumia menos fibra diariamente, em comparação com aqueles com um índice de gordura hepática baixo. Resultados semelhantes também foram obtidos em um subgrupo de 6.613 adultos norte-americanos que participam da Pesquisa Nacional de Exame de Saúde e Nutrição. No entanto, não é totalmente conhecido se o efeito protetor da fibra contra esteatose é devido a uma ação indireta por meio de modulação do microbioma intestinal na esteatose ou se é resultado das propriedades anti-inflamatórias diretas da fibra.

Grupos de alimentos

Vários estudos epidemiológicos tentaram avaliar a relação entre diferentes grupos de alimentos e o risco de esteatose; no entanto, os resultados obtidos foram bastante heterogêneos. Recentemente, investigadores chineses realizaram uma meta-análise para estudar a associação entre onze grupos de alimentos e a probabilidade de desenvolver esteatose. Esses grupos de alimentos foram: carnes vermelhas, refrigerantes, nozes, grãos integrais, grãos refinados grãos, peixes, frutas, vegetais, ovos, laticínios e legumes.

Eles coletaram 24 estudos (15 transversais e 9 caso-controle estudos) e tiveram as seguintes conclusões: (1) há uma associação positiva entre o onsumo de carne vermelha e refrigerantes e o risco de esteatose, (2) há uma associação negativa entre o consumo de nozes e a probabilidade de esteatose, e (3) nenhuma causalidade significativa foi observada entre os outros grupos de alimentos e esteatose. Embora o estudo tenha tido algumas limitações (número reduzido de estudos, risco de viés não pôde ser testado, a maioria dos estudos não estratificou a ingestão alimentar), os resultados obtidos foram consistentes com o diretrizes atuais recomendadas para o tratamento da esteatose.

Fonte: Overview of Non-Alcoholic Fatty Liver Disease (NAFLD) and the Role of Sugary Food Consumption and Other Dietary Components in Its Development, 2021.