A esteatose hepática é uma condição de saúde crônica cuja a causa é multifatorial. Tem relação com genética, peso corporal, estilo de vida e de alimentação. O estilo de alimentação define a microbiota intestinal da pessoa, o que também define a saúde hepática, como veremos nesse post. Microbiota intestinal e esteatose hepática: qual a relação de causa e as consequências?

A microbiota intestinal

A nossa microbiota intestinal, que inclui bactérias, vírus e fungos que coexistem no nosso intestino, tem funções fisiológicas cruciais na nossa digestão, imunidade e nosso metabolismo. Portanto, a microbiota contribui para o nosso metabolismo e, por isso, desempenha também um papel importante na obtenção de energia e nutrientes da dieta.

A microbiota intestinal é altamente heterogênea (variada) e muito influenciada pela nossa dieta e estilo de vida. Na verdade, as dietas ocidentalizadas (que são ricas em alimentos açucarados e gorduras) influenciam negativamente a microbiota e podem causar disbiose, levando à inflamação intestinal, colapso da barreira intestinal e translocação de produtos microbianos.

Algumas espécies de Bifidobacterium spp. e Lactobacillus spp. são benéficos, enquanto Bacteroides spp. e Ruminococcus spp. estão implicados em resultados negativos para a saúde. Diversidade microbiana e a proporção de Firmicutes spp. Versus Bacteroidetes spp. são geralmente indicadores de boa saúde intestinal, de presença ou não de disbiose intestinal.

Microbiota intestinal e sua interferência no fígado

Em se tratando de microbiota intestinal e esteatose, vários estudos em animais e humanos já relacionaram alterações na microbiota com desenvolvimento de esteatose. Na verdade, alguns estudos fizeram o transplante direto de microbiota fecal de camundongos obesos com ou sem esteatose a camundongos receptores livres de germes, e esses replicaram algumas alterações de esteatose.

Além disso, já foi feito transplante de microbiota intestinal de mulheres obesas com esteatose para camundongos convencionais alimentados com ração, e isso resultou em sinais de esteatose dentro de 2 semanas. É digno de nota que estudos preliminares de transplante de microbiota fecal de doadores veganos humanos para pacientes com esteatose mostraram resultados inversos, exibindo melhora da histologia necroinflamatória e de alterações hepáticas envolvidas expressão gênica na inflamação e no metabolismo lipídico.

Alguns autores sugerem que as alterações da microbiota induzem maior permeabilidade intestinal e liberação de LPS no intestino. Lipopolissacarídeo (LPS) também conhecido como endotoxina, e é uma molécula altamente tóxica derivada da membrana celular externa de bactérias gram-negativas. Sua liberação ocorre quando a bactéria se multiplica ou quando é fagocitada e degradada pelas células de defesa.

Essa permeabilidade aumentada poderia ativar o sistema imunológico, enquanto metabólitos produzidos microbianamente (ácidos graxos de cadeia curta, endotoxinas, N-óxido de trimetilamina, colina, ou etanol) poderiam regular o metabolismo dos ácidos biliares do fígado. Endotoxinas bacterianas podem passar da veia porta para o fígado, induzindo inflamação e resistência à insulina e promovendo o desenvolvimento de fígado gorduroso.

A veia porta tem uma função muito importante que é absorver todo o sangue do trato digestivo, baço, pâncreas e vesícula biliar, e transportá-lo para o fígado. Ou seja, o sangue que flui para a veia porta é preenchido com as substâncias recentemente ingeridas, que vão para o fígado, desembocam lá. Esse sistema porta também oferece oxigênio para o fígado. Este processo, conhecido como endotoxemia, está presente em muitos pacientes com esteatose.

Como é a microbiota de quem tem esteatose? Como ela difere de quem não tem?

Nenhuma assinatura clara de microbioma, ou seja, um perfil de microbiota, ainda foi descoberta ou identificada em pacientes com esteatose.
As únicas observações consistentes dos dados são que em pacientes que sofrem de esteatose há maiores quantidades de Proteobacterias (especialmente Escherichia coli e outras Enterobacteriaceae spp) e menor quantidade de Bacteroidetes, bem como também é observada uma diminuição na proporção de Firmicutes: Bacteroidetes.

Os filos de Bacteroidetes e Firmicutes representam mais de 90% dessa composição bacteriana. Os Bacteroidetes são um dos filos predominantes no intestino humano, possuem características fermentativas e que modulam o sistema imune intestinal de forma benéfica. Com o passar dos anos, a composição da microbiota intestinal varia, vai ficando relativamente estável, possuindo uma proporção maior de Firmicutes em relação a Bacteroidetes. Os firmicutes possuem tanto cepas com potencial benéfico quanto não benéfico, mais indutor de inflamação, e relacionados a doenças crônicas. Embora os estudos em animais demonstrem um papel causal potencial, em humanos os estudos estão apenas começando a descrever as assinaturas do microbioma na esteatose.

Essas inconsistência de perfil de microbiota intestinal em pacientes com esteatose podem ser explicadas pela etnia, diferentes metodologias de avaliação de microbiota intestinal, características da população, consumo de drogas e ritmo circadiano.
Além disso, as assinaturas microbianas são diferentes dependendo do estágio de esteatose; por exemplo, Bacteroides vulgatus e Escherichia coli têm uma maior expressão na fibrose avançada.

Como mencionado acima, a dieta pode alterar o microbioma. Assim, dietas com alto teor de gordura são capazes de induzir disbiose (marcada pela diminuição da diversidade microbiana e aumento Razão Firmicutes: Bacteroidetes) em animais, que é acompanhada de inflamação local e sistêmica, e infiltração da gordura hepática. Por outro lado, os roedores alimentados com uma dieta rica em fibras mostrou uma redução na inflamação hepática e na gordura do fígado. Um mecanismo potencial de uma dieta rica em gordura saturada que desencadeia esteatose via microbiota intestinal é o aumento da extração de energia da dieta; isso ocorre por meio da regulação positiva do metabolismo de todo o corpo em absorver ácidos graxos
e mudando do metabolismo dos ácidos graxos de oxidação para re-síntese.

Quais são as alternativas de tratamento?

Na verdade, a esteatose pode melhorar com terapia antibiótica de curto prazo, eliminando microbiota, enquanto a terapia de longo prazo pode resultar em resistência bacteriana, reduzindo a eficácia do medicamento e aumentando o risco de infecções secundárias. Claro que não somos a favor disso.

Por outro lado, temos a modulação da microbiota intestinal para reverter a disbiose intestinal e, consequentemente, o dano ao fígado. Essa pode ser uma abordagem terapêutica em potencial para o tratamento da esteatose. Foi comprovado que a suplementação com probióticos, prebióticos ou simbióticos trata a disbiose intestinal e melhora a condição hepática.

Estudos realizados em animais sugeriram que os probióticos podem melhorar a esteatose hepática, fibrose e alguns fatores marcadores metabólicos. Dados preliminares em estudos humanos confirmaram esses achados, embora ensaios controlados randomizados bem desenhados são necessários para definir a eficácia destes produtos em seres humanos para tratamento posterior de esteatose.

Em resumo, a composição e a função da microbiota intestinal estão fortemente interligadas com a patogênese e a progressão da esteatose. Restauração da microbiota é reconhecida como estratégia para tratamento de esteatose, além da dieta para esteatose. No entanto, a maioria das evidências relacionadas a isso permanece experimentalmente baseada em modelos murinos e tem várias limitações. Portanto, definido com precisão estudos humanos em grande escala que considerem fatores de confusão e que reduzam a heterogeneidade da amostra são necessários para identificar os mecanismos exatos e reconhecer o melhor probiótico cepas para tratar a esteatose.

Fonte: Overview of Non-Alcoholic Fatty Liver Disease (NAFLD) and the Role of Sugary Food Consumption and Other Dietary Components in Its Development