Sabemos da importância de mudar o comportamento alimentar para emagrecer e permanecer no peso. Para isso, um dos pontos chaves é estar mais consciente dos nossos pensamentos. À medida que prestamos mais atenção nos nossos próprios pensamentos é que vamos nos dando por conta que nem todos os nossos pensamentos são verdades, alguns podem ser parcialmente verdades, outros podem ser falsos, outros apenas ideias.

Todas as pessoas cometem alguns “erros de pensamentos” que chamaremos de “erros cognitivos”. Por exemplo, é bastante comum que as pessoas que estão em processo de emagrecimento pensem em duas categorias apenas: ou tudo ou nada. Ou seja, elas acham que ou seguem 100% o plano alimentar, ou é melhor não fazer nada. Elas se esquecem, desta forma, estão eliminando a possibilidade do meio termo e do bom senso.

Também é bastante comum que elas pensem de forma extremamente negativa ou até positiva demais. Podem pensar que, por terem cedido a alguma tentação, nunca conseguirão emagrecer, generalizando algo que foi situacional. Ou o contrário, aqueles que acreditam no pensamento de que  mesmo que não estejam cuidado direito as quantidades de comida que comem, vai dar tudo certo.

Outro “erro cognitivo” bastante comum é a “leitura da mente”, quando pensamos e pressupomos que a outra pessoa irá se ofender se você não aceitar aquele pedaço de bolo que ela está lhe oferecendo. Outro “erro cognitivo” é pensar que se ninguém ver você comendo, não há problema, criando uma falsa ilusão. Ou, ainda, os pensamentos de justificação para ceder às tentações com argumentos como “vou comer porque é de graça” ou “porque tive um dia muito estressante hoje”.

Para lidar melhor com estes pensamentos disfuncionais e distorcidos, considerados pensamentos sabotadores, você precisa primeiro aprender a identificá-los para, então, estar preparado para escolher fazer diferente, mais produtiva, coerente com o que você deseja.

 Como escolher por pensamentos produtivos e coerentes:

Para conseguir tomar uma decisão mais assertiva, você primeiro precisa refletir e prestar atenção sobre quais tipos de pensamentos você tem em relação à comida e se fazer algumas perguntas:

  • Estes pensamentos são mesmo verdadeiros? Qual é a evidência de que ele não é verdadeiro?
  • Existem outras respostas/alternativas a esses pensamentos?
  • Quais são os efeitos de se eu me deixar seduzir por esses pensamentos?
  • O que eu aconselharia um amigo a fazer nessa situação?
  • Esses pensamentos estão alinhados com os meus objetivos?
  • O que devo fazer agora?

Lembre-se: você sempre pode escolher pensar diferente! Nós não controlamos os nossos próprios pensamentos, eles são involuntários, controlamos apenas o que fazemos a respeito deles: vamos acatá-los ou não? Muitas vezes, o que também ocorre é que não queremos se controlar, queremos ceder aos desejos, até por que é mais fácil. Diga a si mesmo que, se você quer emagrecer, você não tem escolha, você precisa tomar decisões melhores.

Quando se deparar com pensamentos negativos ou sabotadores sobre o seu emagrecimento, repita para si mesmo – em voz alta ou em pensamento, se estiver com outras pessoas – ordens curtas como: “Isto é apenas um desejo, já vai passar! Já vai passar, sou capaz de lidar com isso! É apenas um desconfortável, não é horrível!”.

Lembre que pensamentos são apenas eventos da nossa mente, e nós não somos os nossos pensamentos. Pensamentos simplesmente vêm à mente e nós temos poder de escolha de se deixar engajar ou não. Pensamentos (e sentimentos) não podem, portanto, serem controlados; ações e resultados, esses sim dependem da gente.

Tenha em mente que estas são habilidades que você pode aprender e desenvolver, assim como tantas outras que adquiriu ao longo da vida. No começo pode ser mais difícil por exigir mais esforço mental, por que é preciso sair do piloto automático, mas com o tempo você terá respostas prontas para esses pensamentos que insistem em lhe incomodar e suas tomadas de decisões serão tomadas mais naturalmente! Tenha um pouco de paciência consigo mesmo e com o processo.

O corpo alcança o que a mente acredita!

Nutrição comportamental e mudança da relação com a comida: a melhor “dieta” para emagrecer!