Planejamento é um fator-chave para o sucesso de qualquer projeto, não é mesmo? Para sair de férias e dar tudo certo, precisamos planejar. Para comprar um carro, precisamos planejar as finanças. Para ter um filho, precisamos planejar bastante…

No caso do emagrecimento, não é diferente! Sem planejamento você corre o risco de, na hora que a fome bater, comer qualquer coisa que estiver ao seu alcance. O famoso “comer o que tiver do jeito que dá”.

Por isso, algo muito importante de se fazer é o planejamento da alimentação do dia seguinte, preferencialmente por escrito. Que tal após o jantar planejar o que irá comer no dia seguinte? Aposte nisso e depois confira os resultados!

Muitas pessoas mostram resistência a essa tarefa. “Tenho que fazer mesmo isto?” Não, você não tem que fazer, mas seria muito bom se fizesse, especialmente nas primeiras semanas, ou meses. Vou explicar o efeito disso:

Com essas anotações, você conseguirá se manter organizado e, inclusive, manter a organização do preparo de alimentos do seu plano alimentar e, muito importante, programar também a ida ao supermercado, por exemplo. Fazer as anotações do que comer no dia seguinte o manterá sempre conectado e organizado em relação o seu plano alimentar, e isso facilitará incrivelmente a execução do mesmo, por que ao imaginar e planejar já estamos criando as conexões neurológicas para a execução ou realização. 

Imagina que beleza você não precisar “resolver na hora” quais alimentos consumir quando a fome surgir, pois já terá planejado as refeições. Com isso, as chances de se sabotar diminuem consideravelmente, afinal, não haverá aquela desculpa, do tipo “só tinha isso para comer”.

Percebe que essa dica também o ajudará a não ceder aos impulsos de comer fora de hora e/ou fora do plano? Pois quando surgir uma situação em que alguém lhe ofereça um doce, por exemplo, você provavelmente não comerá, pois a decisão já está tomada: você já planejou o que comer e tem a mão o seu alimento. Assim, você se sentirá mais no comando de si mesmo, e menos à mercê da imprevisibilidade ou da ocasionalidade.

O planejamento é importante também por um outro fator: nem sempre você conseguirá fazer boas escolhas espontaneamente, especialmente quando estiver cansado, irritado, angustiado ou com qualquer alteração emocional. Então, melhor já ter planejado o que comer!

Pratique:

Na prática esse planejamento consiste em escrever o que, quanto e quando você irá comer. Por exemplo:

Café da manhã: uma banana, 1 pote de 100g de iogurte, 1 xícara de café e 1 fatia de pão integral com pasta de nuts. 

Depois que você escrever todas as refeições, precisará pensar se precisa comprar algum alimento ou preparar alguma coisa antecipadamente para tornar tudo mais fácil.

Se essa dica lhe parece difícil, comprometa-se a anotar o planejamento por uma semana. Ao final da semana, decida comprometer-se por mais uma. Talvez você não precise executar esta tarefa por muito tempo. Quando conseguir seguir o plano alimentar conscientemente e sua habilidade de se organizar já estiver mais treinada e fortalecida, provavelmente não será mais necessário fazer as anotações.

Ou seja, considerando que o objetivo aqui é melhorar a organização para, consequentemente, melhorar execução do plano alimentar, essa habilidade pode virar um hábito. Um hábito leva em torno de 21 dias para ser modificado, é o tempo que o cérebro leva para criar uma nova conexão neurológica para um novo comportamento/hábito. Ou seja, em 21 dias tudo isso pode estar automatizado e o planejamento por escrito pode não ser mais necessário.

Tenha em mente que você levará apenas alguns minutos para fazer algo que o ajudará a seguir o plano e ter sucesso no seu objetivo, que é emagrecer e manter uma boa relação com a comida.