A gestação é um momento totalmente novo na vida da mulher, com muitas informações novas e detalhes para prestar atenção que podem até gerar ansiedade. Em relação à alimentação para gestantes não é diferente. Vamos ver isso mais de perto?

Alimentação saudável e sem mistérios para gestantes

  • É muito importante nessa fase você manter uma alimentação bastante natural, com o mínimo de alimentos processados.
  • Consumir alimentos orgânicos sempre que possível, visto que vários estudos comprovam a relação entre acúmulo de agrotóxicos no organismo da mãe e transtorno de déficit de atenção e hiperatividade na criança. O ideal é começar a consumir orgânicos ainda antes da gestação, mas isso nem sempre é possível.
  • Importante usar suplementação de omega 3, para boa formação do cérebro do bebê.
  • Importante também acompanhar o seu nível de ferritina, um exame que mede o seu estoque de ferro, para que você passe pela gestação e amamentação sem riscos de desenvolver anemia.
  • Consumir 3 a 4 porções de lácteos ao dia, para obter a quantidade de cálcio adequada.
  • Consumir 3 frutas ou mais por dia e 5 tipos ou mais de vegetais ao dia, preferencialmente diferentes.
  • Suplementar vitaminas e minerais sempre que necessário.
  • Lidar adequadamente com as náuseas do primeiro trimestre de gestação, para que consiga se alimentar melhor na medida do possível.

Curiosidade sobre alimentação na gestação e o seu bebê

Você sabia que já é comprovado cientificamente que os bebês podem sentir sabores dentro do útero da mãe? Já é nessa fase que começa a formação do paladar do bebê! Por isso é tão importante se alimentar bem, e com qualidade. Evite ao máximo no seu dia-a-dia alimentos industrializados.

Ganho de peso na gestação

Peça ao seu nutricionista ou obstetra que calcule o seu ganho de peso final até o parto, e calcule a projeção de ganho de peso semanal ou mensal. Dessa forma você terá mais controle sobre o seu ganho de peso!

Consumo de queijos, leite e a listeriose na alimentação para gestantes

Listeriose é uma intoxicação alimentar causada pela bactéria Listeria monocytogenes que, se contraída durante a gravidez, a infecção pode resultar em aborto espontâneo, nascimento prematuro, infecção grave do recém-nascido ou mesmo natimorto. A bactéria pode sobreviver refrigeração e até mesmo o congelamento. Quando for consumir queijos moles, ele deve ter sido produzido com leite pasteurizado. Não consuma queijos sem procedência, ou queijos artesanais ou os “verdadeiros queijos”, como os franceses, pois muitos deles são feitos com leite não pasteurizado, como camembert, brie e feta .

Então, queijos são liberados sim para a gestante desde que feitos com leite pasteurizado. Você pode verificar esse detalhe no rótulo do produto, na lista de ingredientes. Marcas conhecidas disponíveis nos nossos supermercados são seguras para consumo. Mesmo os queijos que tenham mofo, como gorgonzola, se forem utilizados em uma receita, não teria problema. Pelo mesmo motivo dos queijos deve-se evitar consumo leite crú. Beber apenas o leite pasteurizado.

Consumo de chás proibidos e permitidos na alimentação para gestantes

Devem ser evitados os abortivos, como canela, hortelã, romã, guaco, cavalinha, arruda, poejo e cravo. Usar com bastante moderação chás ricos em cafeína, como chás preto, verde, branco e mate. Chás liberados, que comprovadamente não oferecem nenhum risco à saúde da gestante e do bebê: camomila, erva doce e erva cidreira.

Toxoplamose e a alimentação para gestantes

Toxoplasmose é conhecida como a doença do gato e a realização desse exame faz parte de um conjunto de exames rotineiros de assistência pré-natal. Resultado negativo indicando que a mulher nunca teve contato com o parasita reflete uma situação de potencial preocupação, porque se ela se infectar durante a gravidez poderá transmitir o parasita para seu concepto e a criança nascerá infectada, podendo sofrer diversos graus da doença.
Se você é reagente à toxoplasmose (verificar o seu exame de rotina) você pode ficar tranquila e consumir alimentos crús, pois já teve contato com o vírus e não terá a doença novamente. No entanto, se você não é reagente, ou seja, não teve contato, precisa ter muita atenção a alguns cuidados, como:

  • Não consumir alimento crús, como vegetais/saladas em locais em que você não ter certeza de como foi higienizado;
  • Comer carne bem cozida, bem como os ovos;
  • Evitar sushis e sashimis, a não ser que você confie plenamente na higiene do local, que esteja de acordo com as normas da Anvisa e você use gengibre e wasabi, ingredientes que neutralizam a ação de qualquer bactéria;
  • Evitar ir a locais que tenha gatos, e se você tem gatos, lave sempre bem as mãos após lidar com os dejetos do animal;
  • Se você lida com jardim, lavar sempre bem as mãos após a atividade;
  • Lavar bem as frutas e vegetais. Para isso usar 1 col sopa de hipoclorito de sódio em 1 litro de água. Deixar submerso 15 min e depois lavar em água corrente;
  • Não beber leite não pasteurizado;
  • Lavar bem as mãos após lidar com material suspeito.

Sobre peixes e contaminação por mercúrio e alimentação para gestantes

Peixes como cação, peixe-espada e tubarão, que podem conter níveis perigosos de mercúrio. O atum deve ser limitado a uma lata por semana ou dois filés frescos por semana, pelo mesmo motivo. Outros peixes são seguros e fazem bem ao bebê e a você. As recomendações quanto ao mercúrio valem também para quem está pensando em engravidar e para o período de amamentação. Apesar da contaminação, é muito importante comer peixes 2 vezes por semana para ter a quantidade de DHA recomendada, nesse caso a sardinha e o salmão são ótimas opções, e usar suplementação de omega 3.

Consumo de café e cafeína na gestação

Beba até duas xícaras de café ao dia.

Polifenóis e má formação cardíaca na gestação

Não há comprovação científica suficiente de que comer frutas e verduras cause má formação cardíaca no bebê.