Nutricionista Adriana Lauffer

urticária crônica espontânea e saúde intestinal

Urticária crônica espontânea e saúde intestinal

A ligação entre urticária crônica espontânea (UCE) e a saúde intestinal é um campo emergente de estudo que tem intrigado pesquisadores e profissionais de saúde. Ao mesmo tempo, o papel potencial da saúde intestinal na modulação da resposta imunológica e inflamatória também tem sido cada vez mais explorado. Por isso, a disbiose intestinal e o “leaky gut” têm suscitado questões sobre uma possível relação com a UCE. Nesse post vamos explorar as possíveis ligações entre a saúde intestinal e a UCE que os estudos científicos tem proposto. Mas, primeiramente, vamos entender melhor quais são as causas dessa condição.

Causas da urticária crônica espontânea

A UCE, também conhecida como urticária crônica idiopática, é uma condição de pele caracterizada pela presença de urticária (erupções cutâneas elevadas e com coceira) que persiste por mais de seis semanas, sem uma causa óbvia. As causas exatas da UCE ainda não são totalmente compreendidas, mas várias teorias e fatores podem estar envolvidos:

  1. Reações imunológicas: acredita-se que a UCE possa ser uma manifestação de uma resposta imunológica anormal, onde o sistema imunológico reage de forma exagerada a estímulos que normalmente não desencadeariam uma resposta. Isso pode envolver a liberação de substâncias como histamina, que causam as características lesões urticariformes na pele.
  2. Ativação de mastócitos: os mastócitos são células envolvidas na resposta imunológica e na liberação de histamina. Na UCE, há sugestões de que os mastócitos podem estar hiperativos, liberando histamina e outras substâncias de forma inadequada, o que leva ao surgimento das urticárias.
  3. Fatores genéticos: pode haver uma predisposição genética para desenvolver UCE. Algumas pessoas podem ter uma maior suscetibilidade a reações imunológicas e a ativação de mastócitos.
  4. Estresse e ansiedade: embora não seja uma causa direta, o estresse emocional, ansiedade e outros fatores psicológicos podem desempenhar um papel na piora dos sintomas em algumas pessoas com UCE. O estresse pode aumentar a liberação de substâncias inflamatórias que podem desencadear ou agravar os surtos de urticária.
  5. Infecções: em alguns casos, infecções, como aquelas causadas por vírus ou bactérias, podem desencadear episódios de urticária em pessoas predispostas.
  6. Fatores ambientais: alguns alimentos, aditivos alimentares, medicamentos, temperaturas extremas, pressão e outras influências ambientais podem desencadear ou agravar os sintomas de UCE em algumas pessoas.
  7. Autoimunidade: em alguns casos de UCE, foi observada uma ligação com doenças autoimunes, onde o sistema imunológico ataca erroneamente as próprias células do corpo.
  8. Desregulação dos mediadores inflamatórios: além da histamina, outras substâncias inflamatórias podem estar envolvidas na UCE. A desregulação desses mediadores pode contribuir para o desenvolvimento da condição.

O diagnóstico preciso e o tratamento da UCE devem ser realizados por um profissional de saúde, cujo tratamento geralmente envolve uma combinação de medicamentos anti-histamínicos, medicamentos anti-inflamatórios e, em alguns casos, terapias imunossupressoras, dependendo da gravidade dos sintomas.

Urticária crônica espontânea e disbiose intestinal

A relação entre disbiose intestinal e UCE é uma área de pesquisa em desenvolvimento e ainda não está completamente esclarecida. A disbiose intestinal refere-se a um desequilíbrio na composição e função das bactérias intestinais, o que pode afetar a saúde geral. Alguns estudos sugeriram uma possível ligação entre a disbiose intestinal e certas condições inflamatórias, incluindo distúrbios de pele como a urticária. No entanto, mais pesquisas são necessárias para estabelecer uma relação definitiva.

Alguns mecanismos propostos que poderiam explicar a possível relação entre disbiose intestinal e UCE incluem:

  1. Inflamação sistêmica: a disbiose intestinal pode levar a um aumento da permeabilidade intestinal (também chamado de leaky gut, conforme explicado abaixo), permitindo que toxinas e produtos metabólicos bacterianos vazem para a corrente sanguínea. Isso pode desencadear uma resposta inflamatória sistêmica que, por sua vez, pode influenciar a função imunológica e desempenhar um papel no desenvolvimento ou agravamento da UCE.
  2. Ativação imunológica: a microbiota intestinal desempenha um papel crucial na regulação do sistema imunológico. Um desequilíbrio nas bactérias intestinais pode levar a uma ativação anormal do sistema imunológico, potencialmente contribuindo para a inflamação crônica associada à UCE.
  3. Produção de substâncias bioativas: as bactérias intestinais são capazes de produzir uma variedade de substâncias bioativas, incluindo metabólitos que podem ter efeitos imunomoduladores e inflamatórios. Essas substâncias podem influenciar as vias inflamatórias envolvidas na UCE.

Apesar das teorias promissoras, é importante observar que a pesquisa atual sobre a relação entre disbiose intestinal e UCE é limitada e nem todos os estudos concordam sobre essa conexão. Muitos fatores podem influenciar a saúde da microbiota intestinal, incluindo dieta, estilo de vida, uso de antibióticos e predisposição genética.

Urticária crônica espontânea e leaky gut

“Leaky gut”, ou intestino permeável, é um termo que se refere a um possível estado em que a barreira intestinal, que normalmente protege o corpo de substâncias indesejadas, torna-se mais permeável, permitindo a passagem de moléculas maiores, como toxinas, bactérias e fragmentos alimentares, para a corrente sanguínea. Isso pode levar a uma resposta imunológica sistêmica e inflamação.

A relação entre o “leaky gut” e a UCE é uma área de pesquisa em andamento e ainda não está completamente compreendida. No entanto, alguns estudos sugerem que o “leaky gut” pode estar associado a distúrbios inflamatórios e autoimunes, incluindo condições de pele como a UCE.

A teoria por trás disso é que as substâncias que vazam através da parede intestinal danificada podem desencadear uma resposta imunológica sistêmica, incluindo a liberação de substâncias inflamatórias que podem contribuir para os sintomas de urticária.

No entanto, é importante notar que a relação entre o “leaky gut” e a UCE não é definitivamente estabelecida e é uma área de pesquisa ativa. Mais estudos são necessários para determinar se e como o “leaky gut” está envolvido no desenvolvimento e na progressão da UCE.

Se você está interessado em explorar essa possível relação, é recomendável discutir com um profissional de saúde experiente no assunto. Eles poderão avaliar sua situação individual, considerar exames e ajudá-lo a entender melhor qualquer possível papel da disbiose intestinal e do leaky gut na sua condição.

Urticária crônica espontânea e desconfortos gastrointestinais

Embora a UCE seja principalmente uma condição de pele caracterizada por erupções urticariformes e coceira, em alguns casos, pode haver relatos de sintomas gastrointestinais associados. No entanto, é importante observar que os sintomas gastrointestinais na UCE não são tão comuns quanto os sintomas cutâneos e não são uma característica típica da doença.

Alguns pacientes com UCE relatam sintomas gastrointestinais, como dor abdominal, inchaço, diarreia e náuseas. No entanto, a relação entre esses sintomas e a UCE não é completamente compreendida e pode ser complexa. Algumas possíveis explicações para os sintomas gastrointestinais em pessoas com UCE incluem:

  1. Reações imunológicas: em algumas pessoas, as reações imunológicas que causam a UCE podem também afetar o trato gastrointestinal, levando a sintomas.
  2. Comorbidades: algumas doenças autoimunes ou inflamatórias que têm a UCE como uma manifestação podem afetar tanto a pele quanto o sistema gastrointestinal.
  3. Estresse: o estresse emocional pode influenciar tanto os sintomas da UCE quanto os sintomas gastrointestinais, pois o estresse pode afetar vários sistemas do corpo.
  4. Medicamentos: alguns medicamentos usados para tratar a UCE podem ter efeitos colaterais gastrointestinais.
  5. Sensibilidade individual: algumas pessoas podem ser mais propensas a desenvolver sintomas gastrointestinais em conjunto com sua UCE devido a sensibilidades individuais.

Se você estiver vivenciando sintomas gastrointestinais junto com sua UCE, é importante discutir esses sintomas com um profissional. Isso pode ajudar a determinar se há uma relação com a UCE ou se há outras condições gastrointestinais que possam estar contribuindo para esses sintomas.