Hipocloridria é um distúrbio digestivo causado por baixa produção de ácido pelo estômago, o que pode causar vários sintomas desconfortáveis e consequências negativas para a saúde.

O que é hipocloridria

É a diminuição da produção de ácido gástrico pelo estômago. A maior parte das pessoas acredita que precisa tratar o excesso de acidez, mas na verdade é ao contrário, a prevalência de pessoas que sofrem com a baixa produção de ácido é bem maior do que as que sofrem com hiper acidez.

Gostaria de ver o mesmo conteúdo em vídeo? Continue no youtube!

Como saber se eu tenho hipocloridia

Existem 4 perguntas básicas que devem ser feitas ao tentar identificar a hicloporidria:

1) você sente eructação (arrotos)?

2) você sente azia (queimação)?

3) você sente dor ou desconforto gástrico após comer ou quando está em jejum? Ou seja, o desconforto é depois de comer ou aliviado pelo alimento?

4) como é a sua digestão quando você come maiores quantidades de carne? Fácil ou difícil? Você sente fome rápido, ou dentro de um período normal, ou fica sem fome mesmo muitas horas após comer?

Sintomas de hipocloridria

Então, os sintomas cardinais são: eructação, azia, desconforto ou dor de estômago após comer, sensação de empachamento e má digestão, dificuldade de comer carne vermelha normalmente.

A fermentação da comida já no estômago causa eructação. No estômago já temos uma certa quantidade bactérias, bem menor do que no intestino. Em casos de hipocloridria, devido à baixa acidez, essa quantidade de bactérias no estômago será maior do que a normal e, portanto, fermentará os alimentos gerando eructação.

A azia é o sintoma do retorno do conteúdo ácido do estômago para o esôfago, isso acontece pelo refluxo devido à digestão que fica lenta pela baixa produção de ácido. Esse refluxo, ainda que com pouca quantidade de ácido machucará a mucosa do esôfago, pelo tempo maior de exposição do ácido no esôfago.

Se a pessoa sente dor após comer e também me jejum, provavelmente é porque o estômago está produzindo pouco muco protetor. Então mesmo aquele pouco ácido produzido poderá danificar a parede gástrica e gerar desconforto e dor.

Por fim, a dor de estômago após comer acontece por toda a digestão lentificada.

Causas da hipocloridria

Apesar de a hipocloridria ser considerada uma manifestação secundária ou subjacente a outras condições médicas, existem duas causas principais muito comuns. São elas: deficiência nutricional e estresse.

A deficiência nutricional, ou carências de nutrientes, é consequência de uma alimentação de baixa qualidade, e isso pode gerar hipocloridria porque, para produzir ácido e outras enzimas digestivas, o organismo precisa de diversos nutrientes.

Em adultos a principal causa é o estresse. Num contexto de estresse, em que o organismo demanda muita energia, ele lança mão de modos de economia de energia e passar a investir menos nutrientes em determinadas funções. Portanto, como forma de economia de energia, ele produz menos ácido.

Cirurgia bariátrica também pode causar hipocloridria devido à retirada de uma região do estômago chamada “antro”, que é responsável por produzir gastrina, hormônio que estimula a produção de ácido.

Consequências da hipocloridria

Produzir menos ácido por um tempo curto, até mesmo por uso de prazol – o que seriam até 6 semanas (acima disso já é uso crônico) – não é um problema. Porém, quando o uso é crônico, ou quando a hipocloridria é crônica, várias consequências podem ocorrer, como:

  • Carências nutricionais por não ter ácido suficiente para digerir / “quebrar” os alimentos e absorver nutrientes. Isso leva a mais hipocloridria, pois os ácidos e enzimas digestivas são produzidos a partir de nutrientes. Vários nutrientes dependem de um meio ácido para serem absorvidos. Nesse contexto, a digestão e absorção ficarão incompletas. Ou seja, é uma bola de neve.
  • Inativação das outras enzimas digestivas subsequentes, que dependem da ação do ácido clorídrico, inibindo todo o processo digestivo. Dessa forma, o alimento fica “sobrando” na luz intestinal por não ter sido bem digerido, como as proteínas, por exemplo, cujo o tecido conjuntivo precisa de ácido para serem corretamente digeridas.
  • Muitas aftas – é comum pessoas se queixarem de quando comem laranja ou abacaxi já logo ficam com aftas.
  • Abandono do consumo de carne de gado pelos desconfortos da má digestão.
  • Infecções repetidas por helicobacter pylori em função da baixa acidez gástrica. O habitat natural dessa bactéria é no intestino, na região do piloro, por isso o nome pylori, onde a acidez é baixa. Quando o estômago perde acidez, ele acaba por “subir” para o estômago e habitar lá também, podendo causar complicações visto que ali não é o seu habitat.
  • Maior chance de desenvolver cálculos na vesícula, pois é o ácido que sinaliza quando a vesícula deve contrair para liberar a bile.
  • Carência e má absorção de nutrientes, como:
    • Vitamina B12 – é o primeiro nutriente a ser mal absorvido. A carência de B12 pode gerar problemas como anemia megaloblástica e doenças mentais.
    • O segundo é ferro (normalmente esses pacientes têm ferritina baixa), podendo gerar anemia ferropriva e baixa imunidade, entre outros sintomas,
    • Vitamina C, também podendo levar principalmente à baixa imunidade.
    • Zinco, magnésio e cálcio e, por isso, maior risco de osteoporose.

Tratamento da hipocloridria

Suplementar substâncias que imitam a secreção gástrica para melhorar a digestão e corrigir a produção de ácido, refazer o muco protetor do estômago quando necessário, suplementar os nutrientes que podem estar carentes pela hipocloridria mediante exames de sangue para saber o nível de carência.

Nunca pare o uso de prazol sem acompanhamento médico, é perigoso e você pode ter efeito rebote. Procure o seu médico para fazer o desmame.