A infecção por H. pylori tem acompanhado o homem por milhares de anos. E quais são as consequências da infecção por H. pylori? Em alguns pacientes infectados, uma reação complexa e dinâmica entre o hospedeiro e o patógeno dispara caminhos patogênicos. Esses caminhos resultam em desenvolvimento de gastrite atrófica, úlcera péptica, seja gástrica ou duodenal, adenocarcinoma gástrico, linfoma. A terapia de erradicação é o melhor caminho. Porém, é associada com rápido aumento de resistência a antibióticos, distúrbios na composição da microbiota intestinal, e aumento do risco de outros problemas de saúde.

Causa de úlcera péptica e gastrite crônica

A principal causa de úlceras pépticas, gastrite crônica e neoplasias gástricas são as infecções por H. pylori. Para tratar eficazmente essas doenças associadas ao H. pylori, a necessidade de erradicá-lo em pessoas infectadas continua a ser a melhor opção. Por se tratar de uma infecção difícil de erradicar, se faz necessário administrar um inibidor da bomba de prótons e vários antibióticos juntos.

Vários estudos ao longo dos últimos anos vêm demonstrando que, junto com a terapia medicamentosa, determinados alimentos e ativos possuem o efeito de auxiliar a erradicar e prevenir a reinfecção pelo H. pylori. Isso é bastante positivo visto que: 1) a erradicação é difícil, 2) nem sempre é garantida e 3) pode trazer consequências negativas. Essas consequências podem ser a resistência aos antibióticos, alteração da microbiota intestinal e os efeitos colaterais dos medicamentos.

Doenças associadas com a infecção pelo H pylori

Na maioria dos pacientes, a infecção por H. pylori é assintomática, na forma de gastrite leve e sem desordens de secreção de ácido clorídrico. No entanto, há alguns fenótipos de bactérias que podem trazer maiores prejuízos à saúde.

O fenótipo ulcerativo de infecção por H. pylori, observado em 15-20% das pessoas infectadas, é associado com: aumento de inflamação do estômago pré-pilórico; hipergastrinemia; aumento da secreção de ácido clorídrico e úlceras pépticas, gástricas e duodenais.  

O fenótipo de câncer gástrico da infecção por H pylori, observado em torno de 1% das pessoas infectadas, caracteriza-se por: aumento da inflamação no corpo do estômago; atrofia da membrana mucosa no estomago pré-pilórico; diminuição da secreção de ácido clorídrico e aumento significativo do risco de desenvolvimento de câncer gástrico.

Outras indicações para a terapia de erradicação, além do câncer gástrico e úlcera péptica, são: linfoma MALT; gastrite atrófica; dispepsia; trombocitopenia imune; anemia ferropriva de origem desconhecida; deficiência de vitamina B12; tratamento prévio de câncer gástrico ou linfoma, história familiar para uma dessas doenças e, claro, o pedido do paciente.

Um dado interessante é que nos últimos anos tem sido reconhecido um papel potencial da infecção por H pylori no desenvolvimento de outras doenças. São elas: esteato hepatite não alcoólica, resistência à insulina, adenomas de cólon e adenocarcinoma, câncer de ductos biliares, demência (pela má absorção de B12), psoríase e urticária crônica.

Fontes de consulta

Non-pharmacological treatment of Helicobacter pylori

Efeito protetor da lactoferrina humana no trato gastrintestinal

Diet and Helicobacter pylori infection