Muitos pacientes questionam o uso de antidepressivos na síndrome do intestino irritável (SII) por não entenderem bem as razões para isso.

A questão é que desordens emocionais, como distúrbios de humor, depressão, raiva, somatização, neuroticismo, algum grau de hipocondria, podem ocorrer com frequência em pacientes com SII e, é sabido que as desordens emocionais são um importante fator contribuinte para:

  • O desenvolvimento da SII;
  • O disparo dos sintomas;
  • E, inclusive, interferem bastante no resultado dos tratamentos também.

Comunicação entre o cérebro e o intestino

Em paralelo, biologicamente falando, distúrbios funcionais do trato gastrointestinal como a SII têm sido consideradas já há diversos anos como uma manifestação de desordem na interação do eixo cérebro-intestino-microbioma. Esse eixo se refere à comunicação neuronal do cérebro com o intestino e com a microbiota intestinal.

Sabe-se que 80-90% da serotonina é produzida no intestino e que a mesma é importante para um humor estável. Porém, um intestino com problemas não produz adequadamente a serotonina.

Consequentemente, essa desordem toda leva à ocorrência de sintomas abdominais, que incluem distúrbios na condução nervosa e resultam em hipersensibilidade ao estímulo e em uma resposta neuronal hiper reativa. Por essa razão, drogas de ação central (cérebro) são de grande interesse no tratamento desse grupo de pacientes.

Quando usar antidepressivo

Se você já fez tratamento medicamentoso tradicional sem sucesso, e já passou pela abordagem dietética sem bons resultados, o que é difícil de acontecer segundo a minha experiência profissional, considere seriamente uma tentativa com os medicamentos antidepressivos.

Muitos pacientes vivenciam um certo preconceito e estranhamento quando lhes é sugerido o uso de antidepressivo, até porque atribuem bastante os seus sintomas à dieta.

Eu atendo bastante pacientes com SII e, de todos que eu atendi, pouquíssimos (10%) não tiveram bom resultado com a dieta FODMAP. Esses pacientes eram justamente aqueles com distúrbios de humor, níveis de ansiedade altíssimos ou algum grau de hipocondria.

Esses pacientes não aceitavam essa realidade, era difícil abordar esse assunto com eles e, por isso acabaram permanecendo com os sintomas.

Eles continuam pulando de profissional em profissional e se afundando em exames. Como consequência, permanecem cada vez mais preocupados com os seus sintomas e com sua qualidade de vida se desfazendo.

Antidepressivos utilizados na síndrome do intestino irritável:

Em termos de estudos científicos, a maior parte deles lida com antidepressivos tricíclicos e inibidores da recaptação de serotonina.

Os antidepressivos tricíclicos atuam aumentando a disponibilidade cerebral de serotonina, noradrenalina e, em menor escala, de dopamina, que são neurotransmissores fundamentais para o bom funcionamento do cérebro. Além de regular o humor, o sono, a libido e o apetite. São eles: amitriptilina, clomipramina, desipramina, imipramina, nortriptilina, doxepina.

Já os inibidores da recaptação de serotonina aumentam a disponibilidade apenas da serotonina, e costumam ser mais bem tolerados do que o anterior. São eles: fluoxetina, paroxetina, citalopram, sertralina e fluvoxamina.

Os efeitos e benefícios

Ambos, os antidepressivos tricíclicos e inibidores da recaptação de serotonina, demonstraram reduzir a severidade global dos sintomas da SII. Porém, a maior redução dos sintomas dizia respeito à dor, provavelmente devido ao complexo mecanismo de ação dessas drogas.

Idealmente, as drogas a serem ser usadas devem ser aquelas que já foram testadas e que demonstraram ser efetivas nessa indicação. São elas: amitriptilina, fluoxetina, doxepina, desipramina, imipramina, trimipramina. Já a droga citalopram mostrou efeito controverso, a paroxetina não mostrou efeito e a luloxetina não foi estudada para essa indicação.

Os estudos ainda não concluíram sobre um guia de recomendação, como dosagem e duração de tratamento com antidepressivos para SII na prática clínica.

Todavia, de forma geral, é sugerido o uso por até 12 semanas, sendo que o efeito começa após mais ou menos 12 dias de uso.

Os pacientes devem ser alertados sobre alguns efeitos colaterais que possam surgir, como o mais frequente sendo boca seca.

Não deixe de considerar essa possibilidade. Se você não tem tido resultados, converse com o seu médico sobre isso. Boa sorte no seu tratamento!

Fonte das informações: Guidelines on the management of irritable bowel syndrome, 2018.