Mente cheia ou mente plena?

Mindfulness. Já ouviu falar? É uma prática meditativa que foi criada para reduzir estresse e ansiedade. Ela não tem relação com nenhuma religião, não é nada holístico, é um método comprovado cientificamente que a prática Mindfulness diminui ansiedade, depressão, melhora imunidade e aumenta os níveis de felicidade. A técnica contempla princípios budistas, como “viver o momento presente” ou “manter a atenção no momento presente” e tratar-se com gentileza e compaixão.

Mas, o que isso tem a ver com nutrição e emagrecimento? Tem tudo! Já reparou que os nossos maiores sabotadores são nossos comportamentos ansiosos, preocupados, automáticos e de recompensa? Tendemos a comer de forma diferente em situações de estresse, preocupação, medo, raiva frustração, tristeza, solidão… Já reparou que quando cometemos o que consideramos uma falha, nos tratamos com muita crítica, julgamento e exigência excessivos?

Já reparou como não nos tratamos com gentileza? Nos tratamos com dureza, crítica, exigência, julgamento, comparação e depreciação. É muito comum a pessoa que quer emagrecer, dizer a si mesmo frases , como: “eu não tenho jeito mesmo, eu deveria ter exagerado, sou um idiota, eu nunca vou conseguir, eu sou uma fraca…”. Você acha que esse tipo de comunicação interna, baseada em violência – o oposto de gentileza – ajuda? Não né…

Poderíamos ser mais gentis e compassivos com a gente mesmo, sem isso significar permissividade. Por isso é tão importante termos alternativas mais saudáveis de lidar e de conviver com as emoções consideradas desagradáveis se sentir de maneira geral, por que fazem parte da nossa vida.

Quando o paciente vai ao nutricionista, ele deveria ser visto na sua totalidade! Muitas vezes os pacientes são vistos e reduzidos a um número de balança, um mero papel de dieta ou uma meta de quilos a eliminar.

Mas, somos muito mais! Somos tudo o que somos: o peso, os hábitos, os comportamentos e tudo mais o que vivemos, sentimos e experienciamos! Não tem como nos separar em partes e sabemos como tudo isso influencia a maneira como nos alimentamos.

Se você acha que não é capaz de meditar por que não consegue “esvaziar” a mente, fique tranquilo. O Mindfulness desmistifica isso, e nos explica que na verdade isso não existe. A mente não pára mesmo, e o objetivo não é fazer a mente parar. O objetivo durante as práticas é ficar atento ao momento presente, e quando perceber que a mente devaneou, trazê-la de volta com a atenção à respiração, sem julgamentos ou críticas. Com a prática, você vai ver que o ato de “estar atento ao momento presente” estará permeando outros aspectos da sua vida, trazendo mais consciência, felicidade, tranquilidade, disposição e energia, o oposto de ansiedade, nervosismo, cansaço, irritabilidade, depressão…

Quando se fala em manter a atenção no momento presente e evitar que a mente esteja no futuro, não significa que o Mindfulness não apoie planejar o futuro. Planejar o futuro é saudável e deve ser feito sim, mas preocupar-se excessivamente com ele, a ponto de deixar de viver o presente, não é saudável. Esse é o ponto!

Eu mesma era super ansiosa e super exigente e crítica comigo mesma. Não comia por esses motivos, mas vivia com o corpo cheio de dores. Até que por alegria do destino fiz um curso de Mindfulness. Foi um divisor de águas na minha vida. Até tatuei no braço: “be here now”, que significa “esteja aqui agora” para jamais me desconectar disso.

Esse livro aí abaixo é uma ótima indicação de leitura. Explica de forma clara a técnica, os benefícios, nos ensina como a nossa mente funciona, como os nossos pensamentos acontecem, é muito interessante e esclarecedor! Vem com um CD com várias meditações guiadas, e você pode baixar os áudios na internet também.

As práticas são através de áudios guiados sem música de fundo. Os áudios podem ter diferentes objetivos: aceitação, conecção com o corpo, com o ambiente, ancorar a mente, e sugere-se a prática de 1 áudio 1 vez ao dia (no mínimo).

Sentir que não tem tempo para meditar é comum, por que afinal “já não tenho tempo para nada!” – é o que pensamos. Geralmente esse tempinho de 10-20 min precisa ser criado na nossa agenda. Mas, se você tem se sentido muito estressado, cansado, ansioso, nervoso, vale muito a pena criar e se dar esse tempo. Afinal, não tem custo, você pode fazer no conforto da sua casa, e é um tempo relativamente pequeno de dedicação.