Doença diverticular sintomática não complicada ou síndrome do intestino irritável: estudos recentes propõem que alguns pacientes com doença diverticular (DD) podem evoluir com sintomas devido a uma inflamação crônica de baixo grau, mas sem complicações, o que levou à nomenclatura doença diverticular sintomática não complicada (DDSNC).

Porém, a DDSNC e a síndrome do intestino irritável (SII) compartilham de muitas semelhanças, pois ambas são caracterizadas por episódios recorrentes de dor abdominal, podem exibir um hábito intestinal desordenado, com diarreia, constipação ou alternando ambos.

Essa semelhança começou a gerar dúvida e confusão quanto ao diagnóstico, e claro, quanto ao tratamento, ficando a pergunta: são sintomas de doença diverticular ou síndrome do intestino irritável?

A desconfiança de Spiller

Então, em 2012, um pesquisador muito conhecido na gastroenterologia, o Spiller, investigou isso, pois pelas semelhanças entre as duas condições, ele considerou que seria importante avaliar o grau de ansiedade, depressão e somatização, que podem estar aumentadas nos 2 tipos de pacientes e podem estar associados com hipersensibilidade visceral.

Por outro lado, ele considerou que também havia diferenças significantes entre ambas. Em particular, os pacientes com DDSNC são mais velhos, enquanto que a SII é mais comum entre os jovens; a DD é predominantes entre os homens, sendo que a SII é predominante nas mulheres; e os pacientes com DD podem ter às vezes episódios prolongados e intensos de dor, bem mais que na SII.

Além disso, em termos de fisiopatologia, na a DDSNC as anormalidades intestinais são provavelmente mais importantes do que fatores cerebrais e mentais, enquanto na SII a verdade é o inverso: há muita influência do psicológico, e não há alterações orgânicas intestinais que expliquem os sintomas. Ao final, ele concluiu que os tratamentos deveriam ser direcionados à anormalidade predominante, o que irá variar a cada paciente.

A retomada de Alamo

Esse assunto continuou pairando sem resolução. Então, em 2019, o pesquisador Alamo o retomou com o objetivo de analisar a relação entre essas duas condições sob a luz de novos estudos. Ao desconsiderar cenários clínicos que estão diretamente relacionados ao divertículo, como: diverticulite, hemorragia diverticular e complicações da diverticulite, como bloqueio e fístula, as perguntas dele em torno da relação entre SII e divertículo eram:

  • SII e DDSNC seriam a mesma condição?
  • Ou, em outras palavras, a DDSNC é nada mais do que SII em um indivíduo que por acaso tem divertículos?

Embora a SII e divertículos coincidentes ocorram inevitavelmente, existem muitas evidências para indicar que DDSNC pode ser uma entidade distinta, porque:

  • 1) É caracterizada por dor mais frequente e mais severa que na SII;
  • 2) Em análogo às interações entre SII e doença inflamatória intestinal ou doença celíaca, um episódio de diverticulite aguda pode levar ao desenvolvimento de SII e, atualmente, existem evidências epidemiológicas e fisiopatológicas para apoiar essa ocorrência.

Esse segundo dado é extremamente interessante, porque uma das causas da SII é infecção intestinal, e parece racional esperar que uma crise diverticular, que cursa com inflamação importante e antibioticoterapia, leve à SII pós infecção.

Ao final, Alamo também não chegou a grandes lugares. Concluiu que, embora a relação entre DDSNC e SII tenha sido reexaminada, ela permanece obscura e que nenhum desses conceitos relativos à relação entre essas 2 doenças tem gerado novas abordagens terapêuticas, nem para DD, nem para SII.

Ao final…

Mas, um estudo no meio desse caminho, em 2017, estava estudando prevalência da sobreposição dessas duas condições. Ele menciona que em pacientes sem antecedentes de patologia intestinal funcional (como a SII), o desenvolvimento de SII é 5 x maior após um episódio de diverticulite aguda, pois os pacientes apresentariam maior percepção da dor e da distensão, não só no cólon sigmóide, mas também no reto, confirmando hipersensibilidade visceral.

Aumento de neuropeptídios e alteração na inervação entérica (intestinal) têm sido sugeridos como mecanismos relacionados com a hipersensibilidade. Fatores psicológicos também têm sido associados com a dor recorrente em pacientes com diverticulose.

Transtornos de motilidade intestinal também têm sido descritos em pacientes com DDSNC, especialmente nos segmentos que apresentam os divertículos. Pacientes com diverticulose apresentariam uma diminuição nas células de Cajal quando comparado a sujeitos normais. Estas associações têm permitido sugerir o termo de SII pós diverticulite aguda, de maneira similar à SII pós infecção.

O estudo considerou ainda que, dado que a DDSNC ocorre com maior frequência depois dos 60 anos e a SII costuma ocorrer entre 30-40 anos, o maior desafio é diferenciar esses quadros quando se apresentam em pacientes com mais de 60 anos.

Estudos têm indicado que a localização da dor também poderia ajudar na diferenciação dessas duas condições, e que o exame de calprotetcina nas fezes poderia ajudar, pois o resultado seria maior em pacientes com DDSNC versus pacientes com diverticulose, SII ou sujeitos sãos. Saiba mais sobre quem desenvolve SII e por que.

Fontes de consulta:

https://scielo.conicyt.cl/pdf/rmc/v145n2/art09.pdf

http://Dig Dis. 2012;30(1):64-9. doi: 10.1159/000335721. Epub 2012 May 3.

http://Curr Opin Gastroenterol. 2019 Jan;35(1):27-33. doi: 10.1097/MOG.0000000000000499.