Nutricionista Adriana Lauffer

dieta mediterrânea e doenças crônicas

Dieta mediterrânea e doenças crônicas

A dieta mediterrânea é um estilo de alimentação baseado nos padrões tradicionais de consumo de alimentos em países mediterrâneos, como Grécia, Itália, Espanha e Portugal. Por isso, é caracterizada por uma abundância de alimentos frescos e naturais, com ênfase em ingredientes vegetais e gorduras saudáveis, e é conhecida por trazer benefícios à saúde.

Como é a dieta mediterrânea

Aqui estão algumas características principais da dieta mediterrânea:

  1. Consumo elevado de frutas e vegetais: a dieta inclui uma variedade de frutas e vegetais frescos, que fornecem vitaminas, minerais e antioxidantes essenciais para a saúde.
  2. Uso de azeite de oliva: o azeite de oliva é a principal fonte de gordura na dieta mediterrânea, fornecendo gorduras monoinsaturadas saudáveis, que podem ajudar a reduzir o colesterol ruim (LDL) e promover a saúde cardiovascular.
  3. Ênfase em grãos integrais: pães, massas, arroz e cereais integrais são preferidos em vez de versões refinadas, pois fornecem fibras, vitaminas e minerais essenciais.
  4. Inclusão moderada de proteínas animais: a carne vermelha é consumida com moderação na dieta mediterrânea, enquanto o consumo de peixes e frutos do mar é encorajado, fornecendo ácidos graxos ômega-3 benéficos para a saúde cardíaca. Aves, ovos e laticínios são consumidos em quantidades moderadas.
  5. Consumo regular de legumes e leguminosas: feijões, lentilhas, grão-de-bico e outras leguminosas são uma parte importante da dieta mediterrânea, fornecendo proteínas, fibras e outros nutrientes.
  6. Ingestão moderada de laticínios: queijos, iogurtes e outros laticínios são consumidos com moderação na dieta mediterrânea.
  7. Consumo moderado de vinho tinto: o consumo moderado de vinho tinto, em quantidades limitadas a uma taça por dia para mulheres e duas taças por dia para homens, é considerado parte do padrão alimentar mediterrâneo. Isso é devido aos possíveis benefícios à saúde associados aos polifenóis encontrados no vinho tinto. Para quem não tem o hábito de beber, esse consumo não é encorajado.

É importante lembrar que a dieta mediterrânea não é apenas sobre os alimentos individuais, mas também sobre o estilo de vida em geral, que inclui a prática de atividade física regular, compartilhar refeições em família e desfrutar da comida com moderação.

Essa abordagem alimentar equilibrada tem sido associada a uma série de benefícios à saúde, incluindo redução do risco de doenças cardíacas, diabetes tipo 2, certos tipos de câncer e melhora da saúde cognitiva.

Dieta mediterrânea e saúde cardiovascular

A dieta mediterrânea é amplamente reconhecida por seus benefícios para a saúde cardiovascular. Aqui estão alguns dos principais benefícios dessa dieta para a saúde do coração:

  1. Redução do risco de doenças cardíacas: estudos têm consistentemente mostrado que seguir a dieta mediterrânea está associado a uma redução do risco de doenças cardíacas, incluindo ataques cardíacos, derrames e doença arterial coronariana. Isso é atribuído ao perfil nutricional da dieta, que é rica em alimentos saudáveis para o coração e pobre em ingredientes prejudiciais, como gorduras saturadas e trans.
  2. Promoção de níveis saudáveis de colesterol: a dieta mediterrânea é conhecida por ajudar a manter níveis saudáveis de colesterol. O consumo de azeite de oliva, fonte principal de gordura na dieta, está associado a uma redução do colesterol ruim (LDL) e a um aumento do colesterol bom (HDL). Além disso, a dieta é rica em alimentos ricos em fibras, como frutas, legumes e grãos integrais, que também podem ajudar a reduzir os níveis de colesterol.
  3. Melhora do controle da pressão arterial: a dieta tem sido associada à redução da pressão arterial elevada, um importante fator de risco para doenças cardiovasculares. Alimentos presentes na dieta, como frutas, vegetais, nozes, sementes e peixes ricos em ômega-3 e a menor presença de alimentos processados podem ajudar a regular a pressão arterial.
  4. Ação anti-inflamatória: a dieta mediterrânea é conhecida por seu efeito anti-inflamatório, graças ao consumo de alimentos ricos em antioxidantes, como frutas, vegetais, nozes e azeite de oliva. A inflamação crônica está associada ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares, e seguir uma dieta que combate a inflamação pode ajudar a proteger o coração.
  5. Redução do risco de obesidade e controle do peso: por ser uma dieta equilibrada e rica em alimentos saudáveis, pode ajudar na manutenção de um peso saudável. Além disso, a dieta enfatiza o consumo de alimentos frescos e minimamente processados, evitando alimentos altamente calóricos e ricos em gorduras saturadas e trans, que são associados ao ganho de peso e obesidade.

É importante ressaltar que a dieta mediterrânea é apenas um dos fatores que podem contribuir para a saúde cardiovascular. Estilos de vida saudáveis, incluindo atividade física regular, evitar o tabagismo e gerenciar o estresse, também desempenham um papel crucial na prevenção de doenças cardíacas.

Dieta mediterrânea e diabetes

A dieta mediterrânea oferece vários benefícios para pessoas com diabetes ou que desejam prevenir o desenvolvimento dessa condição. Aqui estão alguns dos benefícios:

  1. Controle dos níveis de açúcar no sangue: a dieta mediterrânea é rica em alimentos de baixo índice glicêmico, como frutas, legumes, grãos integrais e leguminosas. Esses alimentos liberam açúcar na corrente sanguínea de forma mais lenta, evitando picos abruptos de glicose. Isso auxilia no controle dos níveis de açúcar no sangue, prevenindo flutuações excessivas e ajudando a manter a estabilidade glicêmica.
  2. Melhora da sensibilidade à insulina: a dieta é caracterizada por uma quantidade adequada de gorduras saudáveis, como o azeite de oliva e as gorduras encontradas em peixes, nozes e sementes. Essas gorduras saudáveis podem melhorar a sensibilidade à insulina, o que é essencial para o controle adequado do diabetes.
  3. Gerenciamento do peso corporal: por ser uma dieta equilibrada e rica em alimentos nutritivos, também é moderada em calorias. Essa abordagem pode ajudar a controlar o peso corporal, um fator importante na prevenção e no gerenciamento do diabetes tipo 2.
  4. Proteção contra complicações cardiovasculares: o diabetes aumenta o risco de problemas cardiovasculares, como doenças cardíacas e derrames. A dieta mediterrânea é conhecida por seus benefícios cardiovasculares, como a redução do colesterol LDL (“ruim”), a diminuição da pressão arterial e a redução da inflamação. Ao adotar esse padrão alimentar, as pessoas com diabetes podem reduzir o risco de desenvolver complicações cardiovasculares.
  5. Aumento da ingestão de fibras: a dieta mediterrânea é rica em alimentos ricos em fibras, como frutas, vegetais, legumes e grãos integrais. As fibras ajudam a regular os níveis de açúcar no sangue, promovendo uma digestão saudável e aumentando a sensação de saciedade, o que pode ser benéfico para o controle do diabetes.

É importante ressaltar que a dieta mediterrânea deve ser personalizada de acordo com as necessidades individuais de cada pessoa com diabetes, incluindo a consideração da medicação em uso e a consulta a um profissional de saúde, como um nutricionista ou médico especializado em diabetes.

Exemplo de cardápio para dieta mediterrânea

Aqui está um exemplo de um dia de alimentação seguindo a dieta mediterrânea:

Café da manhã:

  • Tigela de iogurte grego com frutas frescas, como morangos e mirtilos.
  • Uma fatia de pão integral torrado com azeite de oliva.
  • Uma xícara de chá verde.

Lanche da manhã:

  • Um punhado de nozes ou amêndoas.

Almoço:

  • Salada de folhas verdes com tomate, pepino, cebola roxa, azeitonas e queijo feta.
  • Porção de peixe grelhado, como salmão, com um fio de azeite de oliva e suco de limão.
  • Porção de quinoa ou arroz integral.
  • Uma fruta, como uma laranja.

Lanche da tarde:

  • Um pedaço de queijo branco ou uma porção de hummus com palitos de cenoura.

Jantar:

  • Peito de frango grelhado temperado com ervas mediterrâneas.
  • Porção de legumes no vapor, como brócolis e couve-flor.
  • Salada de grão-de-bico com tomate, cebola, pepino e azeite de oliva.
  • Uma taça de vinho tinto (opcional).

Ceia:

  • Um copo de leite de amêndoas ou chá de ervas.

Lembrando que esse é apenas um exemplo e a dieta mediterrânea permite uma variedade de alimentos e receitas. É importante adaptar as refeições às preferências pessoais e respeitar as necessidades individuais.