Hemocromatose (ou ferritina alta como é conhecida popularmente) é um distúrbio que interfere no metabolismo do ferro provocando grande acúmulo desse mineral no organismo. Dependendo a causa, a adequação da dieta para ferritina alta pode ajudar a reverter esse quadro, bem como as suas consequências à saúde.

Sintomas de ferritina alta

Os principais sinais e sintomas: dores nas articulações, fadiga, falta de energia, perda de peso, mudança na coloração da pele (tonalidade bronzeado), dor abdominal, perda do desejo sexual, atrofia testicular, perda de pêlo corporal, problemas cardíacos, sintomas relacionados com o início do diabetes. O excesso de ferro resulta em danos teciduais e prejuízo funcional dos órgãos envolvidos, especialmente fígado, pâncreas, coração e hipófise.

Exame de ferritina

O excesso de ferro no sangue é medido pelo exame de ferritina, que mostra o nosso estoque de ferro no nosso corpo. O excesso de ferro no sangue é mais comum em homens do que em mulheres. Quando acontece em mulheres normalmente é naquelas em que o fluxo menstrual é muito pequeno ou que não menstruam.

Quando a ferritina alta é a doença hemocromatose

A captação e a absorção de ferro ocorrem na membrana das células do intestino, que sintetizam uma molécula chamada apoferritina. Os íons ferrosos (Fe2+) se ligam aos receptores das células, penetrando-as e são oxidados ao estado férrico (Fe3+) e ligam-se à apoferritina.

Quando a mesma satura, o ferro deixa de ser oxidado e passa para o sangue direto na forma Fe2+, para então ser oxidado e carregado pela transferrina e depositado no fígado, baço e medula óssea. No fígado é armazenado como ferritina ou hemossiderina. A absorção é regulada pelas células intestinais (mucosa).

Se houver deficiência de ferro, uma proteína reguladora de ferro chamada aconitase, inibe geneticamente a produção de mais ferritina. Com isso, uma quantidade maior de ferro passa para a corrente sanguínea e é oxidado a Fe2+ por uma outra molécula chamada ceruloplasmina, em conjunto com o cobre, ligando-se a aprotransferrina e sendo armazenada nos órgãos.

Na hemocromatose esse mecanismo torna-se ineficiente, pois não há produção de ferritina e todo o ferro ingerido passa diretamente ao sangue, gerando absorção excessiva deste mineral e causando patologias. Para saber se você tem a doença hemocromatose, é preciso consultar o especialista hematologista para fazer os exames de pesquisa genética. Nesses casos, a dieta não costuma funcionar, pois se trata de um distúrbio metabólico. O controle costuma ser feito com sangrias e doações de sangue periódicas.

Quando é preciso fazer sangria

Para os médicos, entre os homens, níveis de ferritina maiores de 800 já são considerados bastante preocupantes e, entre as mulheres, acima de 400. Nesses casos, os pacientes são normalmente encaminhados ao hematologista para realizar exames mais específicos e para saber se há genética para a doença hemocromatose. O tratamento costuma ser sangria (retirar sangue periodicamente).

Dieta para ferritina alta

O consenso internacional sobre Hemocromatose, organizado pela Associação Européia para o Estudo do Fígado, NÃO indica a adoção de dieta estritamente pobre em ferro, mas recomenda evitar alimentos com alto teor do mineral (vide tabela abaixo), suplementos de ferro e vitamina C (que aumenta a absorção intestinal de ferro), bebidas alcoólicas (que podem acelerar o dano hepático) e frutos do mar (principalmente ostras cruas), responsáveis por casos de infecções fatais geradas por sua contaminação com Vibrio vulnificus em pessoas com hemocromatose.

Como diminuir a absorção de ferro pelo organismo

Alguns nutrientes encontrados nos alimentos são conhecidos por dificultar a absorção do ferro, atuando como agentes quelantes.  Veja abaixo:

  • Fitatos, que são encontrados em cereais e grãos;
  • Fibras,  que encontradas em farelos, cereais e grãos integrais, frutas e verduras;
  • Taninos, que são encontrados em chás e no café;
  • Cálcio, pois competem pelos mesmos sítios de absorção na membrana celular;
  • Ácido oxálico, encontrado no espinafre, por exemplo, forma sais insolúveis com o ferro dificultando a absorção do mineral;
  • Evitar alimentos ricos em vitamina C no almoço e jantar, como laranja, limão, kiwi, morango, mamão, goiaba, caju, acerola, mexerica, salsinha, pois aumentam a absorção de ferro.

Alimentos ricos em ferro e que aumentam a ferritina

Na tabela abaixo você verá os alimentos e seu teor de ferro em ordem decrescente (do alimento mais rico para o menos rico em ferro) em 100 g de alimento (preste atenção nisso). Outro ponto que você precisa prestar atenção: tem o “ferro heme” (heme de hemácia, de sangue), que é o ferro de origem animal, cujo possui com ótima absorção; e tem o “ferro não heme”, que é o ferro de origem vegetal, tem baixa absorção pela presença das substâncias que prejudicam a absorção do ferro e necessitam da presença de vitamina C para absorção.

Alimento (100 g)Teor de ferro
Melado de cana* – 7 col sopa22,3 mg
Flocos de cereais*12,5 mg
Fígado de boi cru – 1 bife padrão12 mg
Açaí*12 mg
Melaço*7,5 mg
Coração de frango – 13 unidades6,5 mg
Folha de abóbora*5,5 mg
Grão de bico* – 5 col sopa cheias5,4 mg
Soja 5,4*5,5 mg
Gema de ovo cozida4,8 mg
Carne de gado – 1 bife padrão3,8 mg
Sardinha3,8 mg
Acelga, folhas e talos*3,5 mg
Picanha grelhada – 1 bife padrão3,3 mg
Folhas de beterraba*3,0 mg
Pão integral*3,0 mg
Pimentão maduro cru*3,0 mg
Gema de ovo cozido3,0 mg
Pão de trigo integral* – 4 fatias3,0 mg
Ovo inteiro cozido2,7 mg
Hambúrguer de gado – 1 uni2,6 mg
Coxão mole – 1 bife padrão2,6 mg
Agrião*2,5 mg
Beterraba crua*2,5 mg
Brotos* – 20 col sopa cheias 2,5 mg
Frango assado – 1 porção padrão2,0 mg
Lentilha cozida* – 1 concha méd.1,5 mg
Ervilha enlatada* – 5 col sopa1,5 mg
Sobrecoxa de frango – 1 unidade1,5 mg
Sardinha – 1 posta1,3 mg
Feijão cozido* – 1 concha média1,0 mg
Pão francês* – 50 g/2 unidades1,0 mg
Espinafre cozido* – 4 pegadores0,6 mg
Lombo de porco – 1 fatia padrão0,6 mg
Couve refogada* – 5 col sopa0,5 mg
Brócolis cozido* – 10 col sopa0,5 mg
Peito de frango grelhado – 1uni0,3 mg
Mel de abelha* – 7 col sopa0,3 mg
Beterraba cozida* – 5 col sopa cheias0,2 mg
Alimentos e seu teor de ferro

*alimentos com ferro não heme: precisa de vitamina C para ser bem absorvido.

Como você pode ver, muitos dos alimentos no qual o senso comum acredita serem ricos em ferro (beterraba, feijão, couve, brócolis), na verdade não são. E, além de não serem ricos em ferro, a absorção deles é ruim, a não ser que a vitamina C esteja presente. Como você pode ver, a quantidade de ferro nos alimentos de origem animal é bem maior e, além disso, a absorção do ferro heme ótima. Portanto, não limite seu consumo de feijões e verduras ou legumes e, sim, limite seu consumo de carne vermelha e de frutas ou sucos de fruta cítricos com as refeições.

Recomendação diária de ingestão de ferro:

  • Homens = 6 – 45 mg/dia. Ideal = 8 mg/dia.
  • Mulheres < 50 anos = 18 – 45 mg/dia; mulheres > 50 anos = 8-45 mg/dia.

Saiba mais sobre hemocromatose e fontes alimentares de ferro ou sobre anemia ferropriva.