É muito comum ouvirmos que uma das regras para seguir uma vida saudável ou emagrecer é se alimentar de 3 em 3 horas.

Mas será que isso faz sentido? É realmente necessário?

Segundo a nutrição comportamental (área da nutrição que tem abordagem de reeducação alimentar, só que muito mais profunda), deve-se comer quando se sente fome.

E de preferência, quando esta fome estiver leve ou média, para prevenir a fome extrema, que nos torna mais irracionais, dificultando as escolhas (quando estamos com famintos uma refeição leve/saudável não apetece), a velocidade da mastigação (comemos rápido) e o controle da quantidade (acabamos comendo até estufar).

Normalmente, é natural sentir fome de 3 em 3 horas, porque (a menos que a pessoa tenha exagerado na refeição anterior), é o tempo que o estômago demora para digerir e se esvaziar. E é quando ele está vazio que ele produz o hormônio da fome.

No entanto, se você almoçou às 12h e às 15h não estiver com fome ainda, espere a fome chegar. Não há nada de errado nisso. Acima de tudo a decisão deve ser baseada no respeito ao próprio corpo, em resposta aos sinais do corpo, e não no tic-tac do relógio.

Desde criança somos “ensinados” a nos “desconectar” do nosso corpo, dos nossos sinais internos de fome e de sacieddae. Na escola, tínhamos que comer o lanche por mais que não tivéssemos fome, porque aquele era o horário “correto”. Ou tínhamos que comer tudo para estava no prato, mesmo sem fome, para ficarmos fortes ou em respeito aos mais pobres.

Depois, quando somos adultos, os profissionais de saúde nos dizem os horários que devemos comer, e aí respeitamos o profissional e desrespeitamos o nosso corpo (o que não faz sentido).

“Automatizar” as refeições, ficar de olho no relógio e prender-se a um papel de dieta não é o melhor caminho para quem busca resultados sustentáveis a longo prazo.

Portanto, coma se estiver com fome. E se não estiver, não coma. Simples assim!

O que talvez não seja tão simples é justamente identificar esses estados de fome e de saciedade. Se quiser saber mais sobre isso, clique AQUI para saber a diferença entre fome física, fome emocional e vontade genuína de comer, e clique AQUI para saber como identificar a saciedade.

Nutrição comportamental e mudança da relação com a comida: a melhor “dieta” para emagrecer.