É muito comum o paciente falar à nutricionista que não consegue emagrecer por que não consegue manter o cuidado com a alimentação, que não consegue controlar a ansiedade, a voracidade, a compulsão, a gula… Outros falam que quase não comem e que continuam engordando e que deveriam ser magros pela quantidade de alimentos que comem ou pelo número de refeições que fazem. Por que será que tudo isso acontece?
Em geral as pessoas que alegam estas situações realizam uma alimentação diária bastante desequilibrada, repetitiva, desorganizada.
Todos nós conhecemos alguém que cumpre a seguinte rotina alimentar: nunca faz café da manhã e lanche no meio da manhã, faz um almoço desequilibrado e às vezes quantidades exageradas, não faz lanche da tarde e, quando chega do trabalho, “devora” tudo, e como o que tem do jeito que dá (novamente uma “refeição” desequilibrada)!
É claro que o desfecho do dia será o exagero ou a compulsão à noite, pois não há organismo que aguente esse tipo de rotina alimentar.

Para sair disso, você poderia começar tentando aplicar 3 princípios:

– Fracionar as refeições:  assim a sua fome ficará mais controlada o metabolismo mais ativo.

– Organizar as refeições: se você passa o dia fora de casa, separe na noite anterior lanches práticos para o trabalho, evitando comer lanches vendidos no comércio. Ao invés de almoçar lanches, leve almoço de casa ou almoce em um restaurante que ofereça uma comida razoável.

– Equilibrar as refeições: procure consumir alimentos dos 5 grupos básicos: frutas, verduras, cereais, leite e derivados, carnes e varie muito. Por exemplo: varie as frutas e verduras, varie o tipo de carne, etc. Assim você não enjoa e atinge maior número de nutrientes. Não é necessário retirar doces ou frituras totalmente, você pode comê-los com com mais atenção para ter moderação.

Você sabia que à medida que comemos menos grupos de alimentos e que diminuímos a variedade dos alimentos destes grupos, aumenta a nossa tendência para engordar?
Isso acontece devido ao desequilíbrio da alimentação, que leva a carência de muitos nutrientes e, como conseqüência, torna o metabolismo mais lento, dificultando ainda mais o processo de emagrecimento. Nesses casos, é necessário identificar os nutrientes carentes e corrigir a deficiência, através da própria alimentação ou suplementá-los por algum período.
Então, o segredo é: comer de tudo, mas não tudo todos os dias! Use o bom senso!  Existe algo melhor e mais efetivo que isso? Não!
O profissional nutricionista também precisa ter bom senso: entender a rotina dos seus pacientes para organizar a alimentação deles de acordo, facilitando assim a adesão dos pacientes e os resultados.
Portanto, lembre-se sempre: o organismo precisa estar bem nutrido até para emagrecer, e mais, estar bem nutrido também é uma questão de saúde, de qualidade de vida, de estilo de vida…
E se eu fosse você, avaliaria bem o quê e a forma como está comendo!