Apenas o consumo de lácteos ou cálcio não garante a saúde óssea

A osteoporose é uma doença crônica intimamente relacionada aos hábitos alimentares adotados ao longo da vida, como o consumo adequado ou não de cálcio. No entanto, a absorção e o metabolismo corretos do cálcio dependem da sinergia com vários outros nutrientes. Por isso que, além do cálcio, também estão deficientes na osteoporose o zinco, magnésio, potássio, as vitaminas D, K e C.

Ao mesmo tempo, o excesso de determinados nutrientes também colabora para a osteoporose, como o alto consumo de alimentos industrializados (sódio), de refrigerantes (fósforo) e de carnes e laticínios (proteínas). Isso mesmo! O excesso de lácteos forma cargas renais ácidas, gerando acidose metabólica que aumenta a excreção urinária de cálcio.

Apesar de ter boa quantidade de cálcio, a combinação dos nutrientes dos laticínios não favorece uma boa absorção deste mineral. Ao contrário dos vegetais verdes escuros que apresentam menor teor cálcio em relação aos laticínios, mas são boas fontes de magnésio que otimiza a absorção do cálcio.

Portanto, o que garante a saúde dos seus ossos é a combinação adequada dos nutrientes da dieta e não a quantidade de laticínios (ou cálcio) por si só.

Para ler a participação da nutricionista em matéria sobre o Dia Mundial de Combate à Osteoporose (dia 20 de outubro), clique AQUI.