Tipos de açúcar e suas principais características e diferenças: cristal, refinado, de confeiteiro, mascavo, demerara, orgânico, light e de coco.

Pelo título já foi possível perceber, né? Ufa, quantos tipos de açúcar! São tantas opções disponíveis no mercado com diferentes informações que você se sente perdido(a) ao escolher?

Pensando nisso, reuni abaixo as principais características e informações objetivas sobre cada um. Assim, você entenderá de forma clara qual a melhor opção de acordo com seus objetivos.

Confira:

  • Açúcar cristal: é muito comum. Ele possui grãos grandes e transparentes e é mais difícil de ser dissolvido nos líquidos. É extraído do caldo de cana, e ao ser fabricado, passa por um refinamento leve, retirando cerca de 90% dos sais minerais 🙁 Por ser barato e render bastante, é muito usado na indústria para fabricação de alimentos e no comércio
  • Açúcar refinado: também é um dos mais conhecidos. É fabricado a partir da diluição do açúcar cristal. Neste processo, são adicionados produtos químicos como o enxofre, para que ele fique com a cor bem branca e uniforme.
  • Açúcar de confeiteiro: como o nome já diz, é o açúcar utilizado na fabricação de receitas “de padaria”, em pães, bolos, doces em geral e coberturas. Os cristais são extremamente finos e delicados, parecendo inclusive farinha. Não é indicado para consumo diário.
  • Açúcar mascavo: é um dos açúcares mais saudáveis, porque não passa pelo processo de refinamento na indústria. Ele tem a cor caramelo, é obtido através da cana de açúcar e em seguida cozido, fazendo com que seus valores nutricionais sejam preservados. 🙂 Seu sabor se assemelha a rapadura, portanto, não agrada a todos os paladares… Quanto mais escuro melhor (significa que passou por menor número de filtragens).
  • Açúcar demerara: seu processo de fabricação é parecido com o mascavo, porém, passa por um refinamento leve (que, vale dizer: recebe pouco ou nenhum aditivo químico). É semelhante ao açúcar mascavo também em  termos nutricionais, porém, seu uso não altera de forma significativa o sabor dos alimentos, então é muito utilizado em receitas saudáveis doces e para adoçar bebidas.
  • Orgânico: seus benefícios estão relacionados ao cultivo da matéria prima (cana de açúcar), que não leva agrotóxicos, e nem no processo de produção industrial não se utiliza enxofre, ácido fosfórico e outros elementos. Para acompanhar a sustentabilidade do produto, a embalagem  deve ser biodegradável. Não é refinado, então possui grãos escuros e grossos, semelhantes aos grãos do açúcar mascavo. É como se fosse um açúcar mascavo, mas a vantagem é estar adquirindo um produto orgânico.
  • Açúcar “light”: é uma mistura de açúcar refinado com adição de adoçantes artificiais, como ciclamato, sacarina e aspartame. Devido a isso, adoça mais que os demais açúcares e é utilizado em menor quantidade e é menos calórico. 
  • Açúcar de coco: ficou famosos nos últimos tempos. Possui baixo índice glicêmico (35), evitando picos de insulina, o que é bom para o emagrecimento. É feito a partir das palmas do coco e seu processo de fabricação não inclui o refinamento, portanto, os nutrientes são mantidos e possui um bom poder de adoçar sem deixar sabor residual. O único probleminha dele ainda é o preço.

PS: O índice glicêmico é a velocidade em que o carboidrato é digerido e transformado em açúcar no sangue.

“E agora, qual a melhor opção?”

Eu, particularmente, em meus atendimentos como nutricionista, sempre indico o uso do açúcar mascavo, orgânico ou de coco. Como o açúcar de coco é muito caro para ser utilizado em receitas, oriento o uso deste para bebidas e do mascavo para receitas. No entanto, sempre oriento a redução do açúcar adicionado em bebidas gradualmente até a retirada. Então, por exemplo: quando a pessoa consome açúcar refinado, oriento a troca pelo mascavo ou de coco com a mesma quantidade até acostumar o paladar com uma graduação de doce menor, e depois ir diminuindo a adição do açúcar até retirar.

Importante:

Independente do tipo de açúcar que você escolher consumir, lembre-se de utilizá-lo com moderação.

Seu excesso pode prejudicar muito sua saúde e causar doenças.