Crianças x Doces! Qual será o placar?

Eles são os terrores de quem faz dieta, mas costumam fazer a alegria de crianças e adolescentes. Ultra coloridos, os doces atraem e, para desespero de muitos pais, nutricionistas, pediatras e dentistas, conquistam um lugar cativo entre os alimentos preferidos pela garotada. Uma recente pesquisa revela que 28% das crianças e adolescentes consomem, com freqüência, balas e pirulitos. Mas o eleito pela meninada foi o chiclete, pois 31% não vive sem mascar a guloseima.

O problema é que essas delícias recheadas de carboidratos e gorduras têm muitas calorias por grama. E, ao privilegiá-las, as crianças deixam de comer alimentos muito mais nutritivos. E, pior, podem ganhar aqueles indesejáveis quilos a mais.

Como fazer, então, para que as crianças se alimentem bem e permaneçam firmes ao irresistível apelo aos doces?

O segredo está na educação. Os pais têm de dar o exemplo. Não devem, por exemplo, comer chocolate na frente do filho e dizer-lhe que ele não pode.

Também não vale proibir, pois a proibição pode sair pela culatra (a criança vai querer doces toda hora). Os pais devem acostumar a criança desde pequenina que os doces devem ser consumidos com moderação.

De nada adianta, também, dar as guloseimas como recompensa para quem limpa o prato no almoço ou no jantar, pois se esses alimentos são dados como presente, a criança passa a valorizá-lo demais.

Outra dica é nunca ceder à chantagem dos que choram por que querem só a sobremesa. O melhor é conversar com os filhos para eles entenderem por que precisam se alimentar bem.

By |2017-09-30T18:41:52+00:0029/02/2016|Categories: Nutrição Infantil|Tags: , , , , , |