Como manter a alimentação quando a criança está doente (0-2 anos)

Quando a criança está doente, ela ingere menos alimentos pela falta de apetite que a enfermidade ocasiona, ou por apresentar vômitos, cólicas, diarreia, febre, entre outros sinais e sintomas.

Quando estamos doentes gastamos mais energia devido à febre e pelo aumento da produção de anticorpos. Portanto, se a criança adoece com freqüência e não se alimenta bem, ela pode apresentar atraso no crescimento e falta de alguns nutrientes importantes como zinco, ferro e vitamina A.

Essa carência de nutrientes deixa a criança ainda mais suscetível a novas infecções, ou seja, se torna uma “bola de neve”! E que pode prejudicar o peso, o crescimento e o desenvolvimento da criança!

Portanto, as dicas a seguir podem ajudar na tentativa de alimentar bem a criança que está doente:

– Aleitamento materno, se possível;

– Fazer alimentos pastosos, como purês, que são de melhor aceitação quando estamos doentes ou sem apetite;

– Acrescentar às refeições salgadas 1 colher de sobremesa de óleo para crianças menores de 1 ano e 1 colher de sopa para maiores de 1 ano, para agregar calorias;

– No período de convalescença oferecer uma refeição a mais ao dia, pois o apetite aumenta e devemos aproveitar para recuperar o peso perdido;

– Oferecer alimentos que a criança prefira, porém, nutritivos;

– Oferecer alimentos calóricos;

– Oferecer quantidades pequenas de alimentos em cada refeição (pela falta de apetite), mas aumentar o número de refeições ao dia;

– Se a criança aceitar apenas um tipo de preparo, mantê-la até que a criança se recupere;

– Em casos de diarreia, vômitos e febre aumentar a ingestão de líquidos, oferecendo-os sempre após as refeições ou entre as refeições, para não prejudicar o apetite.

Quando a criança está doente é importante que ela alimente-se bem para manter o peso e recuperar-se mais rápido. Por isso, é importante manter o aleitamento materno, manter as preferências alimentares e a alimentação habitual da criança.

By |2017-03-01T12:18:36+00:0029/02/2016|Categories: Nutrição Infantil|Tags: , , |