Colecistectomia – dicas de quais alimentos evitar

O bem estar após a colecistectomia, ou seja, após a retirada da vesícula, é imprevisível. Um artigo científico da área da gastroenterologia já mostrou que pessoas que antes da cirurgia tinham muito desconforto digestivo, após a cirurgia se sentiram “novas em folha”, outras nem tanto. Pessoas que antes da cirurgia não tinham sintomas importantes, passaram a ter ou continuaram se sentindo as mesmas. A questão é que sintomas não se discute e, as pessoas que sentem desconforto podem cuidar alguns aspectos da alimentação. Vamos às dicas:

Preferir:
– Consumo de pouca gordura em cada refeição enquanto o organismo se adapta a funcionar sem o reservatório de bile;
– Carnes magras (retirar a pele do frango e gordura aparente da carne bovina coxão duro e patinho – antes do preparo);
– Preparações cozidas e grelhadas (ou seja, com pouca gordura;
– Peixes cozidos ou assados: bacalhau, hadoque, linguado, cavalinha, sardinha, atum e salmão;
– Sobremesas à base de frutas, iogurtes/leite desnatado, mel;
– Infusões não concentradas de café e chá;
– Hortaliças que não fermentam, e cozidas, como batatas, abóbora, chuchu, cenoura, abobrinha, beterraba;
– Alimentação em horários regulares (preferencialmente em quatro refeições);
– Alimentação em ambientes calmos para facilitar a digestão.

Evitar:
– Alimentos gordurosos e fritos (a ingestão deve ser restringida por vários meses; posteriormente podem ser introduzidos lentamente). Vamos relembrar: fast foods, hambúrgueres, salgadinhos, vísceras, embutidos (lingüiça, salame, mortadela), biscoitos e pães recheados, doces com cremes, folhados, empanados de frango, tortas, massas com cremes, bife à milanesa, coxinhas e croquetes; gordura animal (banha, toucinho, bacon, manteiga);
– Líquidos: evitar 30 min antes, e esperar 30 min após as principais refeições;
– Frutas como melão e melancia                                                                                                                                                           – Vegetais que geram gases: brócolis, couve-flor, repolho, batata doce.                                                                                       – Oleaginosas: amêndoa, nozes, castanha-do-pará, abacate;
– Outros: bebidas alcoólicas; pimenta, picles, mostarda, páprica, curry, molhos picantes, azeitonas, noz-moscada.

Nutrição e gastroenterologia: uma união importante!