A personalidade na balança: conheça as características que mais influenciam o ganho de peso!

Novas pesquisas revelam como o seu jeito de ser pode levar você a engordar. Especialistas apontam o que fazer para domar o seu temperamento e emagrecer.

Os intolerantes…

Manifestam forte tendência a experimentar mais as emoções negativas – tristeza, medo, culpa, raiva e vergonha, por exemplo – do que as positivas.

Por que interfere na balança:

Pessoas assim são radicais nos julgamentos e têm dificuldade de lidar com as nuances da vida. Quando cometem um excesso na dieta, acham que o esforço foi perdido e não adianta recomeçar.

O que fazer:

Tenha em mente que nem tudo na vida pode ser visto totalmente como certo ou errado, bom ou ruim. E que perder o controle uma vez ou outra não significa que todo o seu programa alimentar foi comprometido.

Aceite: coisas ruins acontecem além do seu controle. Você não tem como decidir tudo. Tire esse peso dos seus ombros.

Identifique em que estado de espírito você está quando vai à mesa. Sentimentos ruins, como a raiva e tristeza, nos fazem procurar conforto na comida. Em vez de se deixar levar, procure outra atividade que não seja comer e que lhe dê prazer.

Os impulsivos…

Agem rápido diante de qualquer estímulo, sem avaliar os desdobramentos das suas ações a curto e médio prazo.

Por que interfere na balança:

Quando percebe, a pessoa já comeu desordenadamente grandes quantidades de comida. Nem todos sentem culpa.

O que fazer:

Comente com quem estiver ao seu lado sobre a vontade de comer que está surgindo. Diga em voz alta. Quando a outra pessoa dá o retorno, isso ativa áreas do cérebro e você se sente obrigado a dar um freio.

Evite grandes travessas à mesa e porções fartas. Elas são um convite ao exagero.

Tente não discutir assuntos tensos durante a refeição. Isso pode acentuar a sua tendência a comer maiores quantidades sem perceber.

Os extrovertidos…

Pessoas com facilidade de se relacionar socialmente e de se expor. São pouco dadas à autocrítica e menos vulneráveis às críticas dos outros.

Por que interfere na balança:

Há uma tendência a ter uma percepção reduzida das próprias emoções e necessidades. Entre elas, a sensação de saciedade.

O que fazer:

Em festas e eventos, fique longe do buffê. Sirva-se em pratos menores ou coloque uma quantidade de comida menor do que a desejada. Faça um diário alimentar. Anote o que comeu ao final de cada encontro para ter noção da quantidade ingerida durante o dia. Encontre os amigos em locais onde a comida não seja o centro das atenções: museus, praças, livrarias, cafés.

Os generosos…

Têm capacidade de dar atenção e ajudar outras pessoas. Mas há o risco de desconsiderar os próprios sentimentos em favor das necessidades alheias.

Por que interfere na balança:
Muitas vezes, os generosos ficam tão disponíveis para o outro que ignoram o ritmo biológico pessoal, a ponto de não comer ou não dormir.

O que fazer:

Estabeleça limites de tempo e energia para as tarefas desempenhadas. Se puder, faça um mapinha das suas atividades e o tempo que devem consumir.

Procure identificar suas intenções. Está sendo generoso por que é uma pessoa desprendida ou por que precisa de aprovação do outro?

Pergunte a si mesmo se o que irá fazer dali a segundos está de acordo com os seus planos e necessidades biológicas.

Pense: você está realmente com fome ou vai comer só para agradar alguém?

Insones ou notívagos…

Dormem mais tarde por causa do próprio ritmo biológico ou por privação do sono.

Por que interfere na balança:

A falta de sono altera os níveis de leptina, hormônio que sinaliza plenitude, e aumenta a grelina, hormônio ligado ao apetite. Por isso comem mais à noite, às vezes além do que deveriam.

O que fazer:

Tente regular seu relógio biológico. Comece estabelecendo um horário fixo para fazer as refeições e coma sempre na mesma hora.

Quanto mais cedo você se alimentar, melhor. Abandone as bebidas com cafeína (café e refrigerantes com cola, chás, mate) após ao meio dia.

Mantenha a televisão, as luzes e demais aparelhos eletrônicos desligados à noite. Isso ajuda a preparar um sono mais tranqüilo.

Não leve para a cama engenhocas tecnológicas. A luz e os estímulos sonoros mantêm o estado de prontidão e o organismo entende que ainda é dia.

Os multitarefas…

Não fazem uma coisa por vez. Na hora de comer, lêem também o jornal, falam ao celular, trabalham, assistem à televisão…

Por que interfere na balança:

Há falta de percepção da quantidade de comida ingerida é uma tendência a continuar comendo motivado por outros estímulos externos que não são a fome.

O que fazer:

Assuma o compromisso de comer sentado, com o telefone desligado. Foque na refeição. Mas pode conversar. Mastigue vagarosamente. Em geral, os multitarefas engolem a comida sem sequer sentir seu sabor.

A cada bocado, descanse o garfo no prato para avaliar o seu grau de saciedade.

Os perfeccionistas…

Querem fazer tudo perfeito para ser admirados. Mas o nível de exigência é tão elevado que raramente é atingido, o que gera frustrações.

Por que interfere na balança:
Desanimam com facilidade quando percebem que falharam, o que é mal tolerado e pode levar a interrupções no controle alimentar.

O que fazer:

Procure fazer as suas coisas da melhor maneira possível, mas sem estabelecer padrões inatingíveis. Qualquer tentativa de mudança nos hábitos alimentares deve ser iniciada devagar, para que não ocorram decepções. Dê pequenos passos e aumente progressivamente o nível de dificuldade. Em vez de entrar numa academia e já querer correr uma hora e meia, vá devagar. A persistência é fundamental.

Saiba que pode ser admirado por seus atributos, mas também não será crucificado por suas falhas.

Os superseguros…

Acreditam que podem resolver as conseqüências de toda e qualquer situação. Confiam excessivamente nas próprias avaliações.

Por que interfere na balança:

Ao subestimar a realidade, podem comer um prato enorme hoje com a plena certeza de que eliminarão as calorias excedentes no dia seguinte, o que pode não acontecer.

O que fazer:

Pense quantas vezes comeu demais nos últimos dias guiado pela certeza de que poderia controlar os efeitos no dia seguinte.

Evite a armadilha do pensamento mágico, aquela que dá a você poderes para fazer as calorias excedentes. Antes de comer de forma permissiva, pense no que fará, como e por quanto tempo para queimar o excesso. Não fique à mesa muito tempo. Coma e vá continuar a conversa em outro ambiente.

 

Vamos observar a nossa personalidade! Lembre que não existe um alimento salvador ou vilão, o que existe é o nosso comportamento alimentar frente aos alimentos.